Fissura anal

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

É uma laceração no revestimento do canal anal que causa dor e por vezes hemorragias durante a defecação. São causadas por lesões no canal anal na passagem de fezes volumosas ou duras, diarreia repetida ou podem ocorrer como consequência do parto. Em alguns casos, estão associadas a doença de Crohn, uma patologia inflamatória intestinal, e em fístulas próximas ao ânus. As fissuras podem ser acompanhadas por sangramento leve ou secreção amarela e prurido. Normalmente são tratadas em casa.

Os seus principais sintomas incluem:

  • Dor, especialmente durante evacuação das fezes. A dor é aguda e intensa podendo persistir uma sensação de queimadura após a defecação. Nalguns doentes o receio da dor faz com que evitem evacuar, levando ao aumento da consistência e volume das fezes e ao agravamento da dor e da fissura
  • Dor aguda ao limpar-se
  • Sangue vermelho vivo nas fezes ou no papel higiénico, frequente também nas fissuras em crianças
  • Prurido na área anal, intermitente ou persistente

As causas mais frequentes estão associadas à obstipação, que provoca fezes muito duras, à diarreia ou à inflamação do canal anal.

Na maioria dos casos, a história clínica e as circunstâncias do aparecimento dos sintomas orientam o diagnóstico. O profissional de saúde pode perguntar sobre dieta, hábitos ou problemas intestinais, além de outras condições médicas. A inspeção da área anal permite na maioria dos casos confirmar a presença da fissura. 

Muitas vezes, o número e localização das fissuras podem apontar para outras condições, como a doença de Crohn. A presença de espessamentos marginais sugere que a fissura é crónica e repetida. Neste casos, o médico pode sugerir uma sigmoidoscopia para ver a parte inferior do cólon (designado cólon sigmóide), ou uma colonoscopia para observar todo o intestino grosso. Ambos os testes envolvem a inserção pelo ânus de um tubo longo, fino, flexível e ligado a uma fonte de luz e que permite detetar a presença de lesões anormais ou condições inflamatórias.

Na maioria dos casos, curam espontaneamente com a aplicação tópica de cremes, associada à toma de laxantes e a uma higiene local utilizando água morna. Nos casos em que as queixas se mantêm por vários dias não reagindo ao tratamento, deve ser reavaliada a situação do doente, excluir doenças que possam estar na sua origem como, por exemplo, a Doença de Crohn e ponderar a necessidade de correção cirúrgica.

Se as fissuras persistirem, condicionando diminuição da qualidade de vida, podem ser tratadas com injeção de uma substância que diminui o tónus ou força do esfíncter anal interno (toxina botulínica) ou com cirurgia.

  • Manter as fezes macias com uma dieta equilibrada
  • Manter uma adequada ingestão de líquidos 
  • Não retardar a ida à casa de banho
  • Trocar frequentemente de fraldas aos bebés evita o aparecimento das fissuras
  • Evitar alimentos que não sejam bem digeridos, como nozes e pipocas
  • Nos indivíduos mais suscetíveis à ocorrência de fissuras, é benéfica a higiene com toalhetes macios e lubrificados de algodão após a defecação.
  • O exercício regular pode reduzir o risco de desenvolver obstipação, resultando em menor risco de fissuras
  • Evitar ficar sentado na sanita durante muito tempo
Fontes:

WebMD

Medical News Today

Doenças relacionadas