COVID-19: Perguntas Frequentes

COVID-19: Perguntas Frequentes

 

O que é o Coronavírus?

Os coronavírus são uma família de vírus conhecidos por causar doença no ser humano. A infeção pode ser semelhante a uma gripe comum ou apresentar-se como doença mais grave, como pneumonia. A infeção pelo novo coronavírus, designada de COVID-19, surgiu na China, no final do ano passado.

 

Como se transmite?

A COVID-19 transmite-se por contacto próximo com pessoas infetadas pelo vírus, ou superfícies e objetos contaminados.

Esta doença transmite-se através de gotículas libertadas pelo nariz ou boca quando tossimos ou espirramos, que podem atingir diretamente a boca, nariz e olhos de quem estiver próximo.

As gotículas podem depositar-se nos objetos ou superfícies que rodeiam a pessoa infetada. Por sua vez, outras pessoas podem infetar-se ao tocar nestes objetos ou superfícies e depois tocar nos olhos, nariz ou boca com as mãos.

 

Quais os sintomas?

As pessoas infetadas podem apresentar sinais e sintomas de infeção respiratória aguda como febretosse e dificuldade respiratória.

Em casos mais graves pode levar a pneumonia grave com insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos e eventual morte.

 

Como se identifica um caso suspeito?

Neste momento, considera-se um caso suspeito o doente que cumpra os seguintes critérios:

Infeção respiratória aguda (febre ou tosse ou dificuldade respiratória) requerendo ou não hospitalização e

  • História de viagem para áreas com transmissão comunitária ativa nos 14 dias antes do início de sintomas ou;

  • Contacto com caso confirmado ou provável de infeção por SARS-CoV-2/COVID-19, nos 14 dias antes do início dos sintomas ou;

  • Profissional de saúde ou pessoa que tenha estado numa instituição de saúde onde são tratados doentes com COVID-19.

 

Qual o período de incubação?

O período de incubação ainda se encontra sob investigação. 

 

De que forma se pode proteger?

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença:

  • Tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o cotovelo, nunca com as mãos; deitar sempre o lenço de papel no lixo);
  • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes;
  • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória

 

O uso da máscara é aconselhável?

De acordo com a situação atual em Portugal, não está indicado o uso de máscara para proteção individual, exceto nas seguintes situações:

  • Pessoas com sintomas de infeção respiratória (tosse ou espirro); 
  • Suspeitos de infeção por COVID-19;
  • Pessoas que prestem cuidados a suspeitos de infeção por COVID-19.

 

Existe tratamento e vacina para o Coronavírus?

O tratamento da infeção por este novo Coronavírus é dirigido aos sinais e sintomas apresentados. Sendo um novo vírus, ainda não existe vacina, estando em curso as investigações para o seu desenvolvimento.

 

Os antibióticos são efetivos a prevenir e tratar o Coronavírus?

Não, os antibióticos não são efetivos contra vírus, apenas bactérias. O COVID-19 é um vírus e, como tal, os antibióticos não devem ser usados para a sua prevenção ou tratamento. Não terá resultado e poderá contribuir para o aumento das resistências a antimicrobianos.

 

Esteve próximo de alguém com COVID-19 e não tem sintomas?

Se não tem febre, tosse ou dificuldade em respirar deve:

  • Evitar estar próximo de pessoas durante 14 dias
  • Medir a temperatura 2 vezes por dia

 

Esteve próximo de alguém com COVID-19 e tem sintomas?

Se tem febre, tosse ou dificuldade em respirar deve:

  • Ligar para o SNS 24 – 808 24 24 24 e seguir as orientações dadas
  • Evitar estar próximo de pessoas

 

Esteve numa zona com transmissão ativa, mas não tem sintomas, deve realizar análises para despiste do Coronavírus?

Não. A realização de testes de despiste a assintomáticos não está validada, pelo que qualquer resultado seria inconclusivo. Para além disso, seria impossível determinar qual a altura ou com que frequência seria realizado o teste.

Fontes

Fonte: Direção Geral de Saúde (DGS)