Vacinas e lesão do ombro: é normal sentir dor?

No contexto da vacinação contra a COVID-19, a lesão do ombro relacionada com a administração de vacinas tem sido mais frequente. Saiba como prevenir e tratar.

As campanhas de vacinação têm sido fulcrais na resolução de várias crises de saúde pública. No contexto do combate à pandemia de COVID-19, tem-se verificado um aumento da frequência da lesão do ombro relacionada com a administração de vacinas (SIRVA), dado que o ombro é a zona recetora da vacina.

 

O que é a lesão do ombro relacionada com a administração de vacinas (SIRVA)?

A lesão do ombro relacionada com a administração de vacinas é conhecida pela sigla SIRVA - Shoulder Injury Related to Vaccine Administration - por ter sido assim descrita pela National Vaccine Injury Compensation Program (VICP), nos Estados Unidos da América, em 2010. É uma patologia habitualmente rara, mas que tem vindo a ser progressivamente mais identificada no contexto do aumento das campanhas de vacinação pela pandemia de COVID-19.

A definição mais consensual de SIRVA é de dor no ombro, com limitação da mobilidade, com início nas primeiras 48 horas após a administração da vacina, em indivíduos sem história prévia de dor ou disfunção desse ombro.

 

Causas da lesão do ombro após administração de vacinas

A SIRVA tem sido atribuída a:

  • defeitos de execução técnica durante a administração da vacina
  • formação de complexos anticorpo-antigénio no espaço subacromial (zona abaixo do acrómio da omoplata) após a administração da vacina
  • descompensação de doença crónica degenerativa do ombro por disfunção temporária do músculo deltoide, onde é administrada a vacina

 

Como prevenir?

Quando receber a vacina deve:

  • colaborar com o profissional de saúde, expondo todo o membro superior e todo esse lado do tórax, de forma a que as referências anatómicas sejam facilmente visíveis e a administração da vacina seja feita na localização ideal
  • evitar receber a vacina num ombro previamente doente ou operado, privilegiando receber a vacina no ombro mais saudável

 

O que fazer quando existe dor no ombro após administração de vacinas?

Se a dor localizada no ombro persistir 48 horas após a vacinação e condicionar a perda de mobilidade articular, deve recorrer a um ortopedista dedicado à patologia do ombro para a confirmação do diagnóstico, que é fundamentalmente clínico. O diagnóstico será complementado por exames de imagem, que poderão documentar a reação inflamatória no músculo deltoide e a extensão da inflamação às outras estruturas que podem ser afetadas pela SIRVA (lesão do ombro relacionada com a administração de vacinas). Nesse caso, poderá então ser iniciado o tratamento dirigido à lesão identificada.

 

Tratamento

O tratamento pode incluir medidas conservadoras para alívio dos sintomas, tais como:

  • gelo local
  • tratamentos de fisioterapia: para controlo da dor, correção postural e reeducação funcional do complexo articular do ombro
  • medicação anti-inflamatória: para minimizar a reação local no músculo deltoide
  • cirurgia: uma opção mais rara, para os casos complicados por outras patologias ou que não respondam às medidas de tratamento conservador, tais como a capsulite, a bursite subacromial ou a rotura de tendões da coifa dos rotadores

 

Não deixe de se vacinar!

A lesão do ombro relacionada com a administração de vacinas (SIRVA) é uma entidade rara, de resolução frequentemente espontânea ou após medidas de tratamento conservador, sem deixar sequelas. O risco de SIRVA não justifica que se evite a adesão às campanhas de vacinação.

Se desenvolver sintomas compatíveis com SIRVA procure o seu ortopedista com subespecialização de ombro.

Publicado a 09/03/2022