Vertigens

O que são?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

As vertigens não são uma doença mas sim um sintoma que pode ocorrer em diversas patologias. A palavra vertigem provém do latim vertere que significa girar ou movimento giratório. A vertigem define-se como uma distorção do movimento do corpo no espaço. Para percebermos o que provoca a vertigem devemos entender todo o mecanismo envolvido na manutenção do equilíbrio.

Existem vários sistemas que participam na orientação do nosso corpo: o visual, o vestibular (o ouvido interno) e o propioceptivo (estes recetores estão localizados nos músculos, tendões, articulações e pele). A vertigem ocorre quando existe uma anomalia num destes sistemas e pode também resultar de algum problema a nível do cérebro, responsável pela análise e integração das informações do movimento e posição da cabeça e do corpo. Esta situação pode afetar qualquer idade e está normalmente acompanhada por outros sintomas, como as náuseas, vómitos, dores de cabeça, palidez, aumento do batimento cardíaco e perda de consciência.

Correspondem a uma ilusão de movimento, com sensação de deslocação dos objetos circundantes em relação ao indivíduo ou vice-versa. Mais frequentemente são rotatórias (o meio ambiente parece andar à volta do paciente), mas também se podem manifestar como uma sensação de deslizamento para um dos lados ou para cima e para baixo.

É necessário distinguir vertigens de tonturas: as tonturas são uma designação genérica que engloba todas as situações onde ocorre um distúrbio das relações do indivíduo com o espaço, devendo as vertigens ser consideradas uma forma particular de tonturas. Esta distinção nem sempre é fácil, sobretudo nos quadros de grande ansiedade ou quando as tonturas ocorrem num contexto de uma doença psiquiátrica.

De um modo geral, as vertigens resultam de uma lesão a nível do ouvido interno, nos seus recetores periféricos, nas vias que conduzem as informações recolhidas ou a nível dos centros do sistema nervoso central que processam essa informação.

As perturbações da visão e de um tipo especial de sensibilidade (propriocetiva) existente na pele, ossos, músculos e articulações de todo o corpo podem também provocar tonturas cuja distinção das vertigens pode ser muito difícil.

As vertigens integram-se num conjunto mais vasto de perturbações, ditas vestibulares, que são muito comuns. Por exemplo, nos Estados Unidos, estima-se que cerca de 35% da população com idade superior a 40 anos tenha tido pelo menos um episódio de doença vestibular.

As vertigens podem acompanhar-se de tonturas, de uma sensação de leveza na cabeça ou de desmaio, perda de equilíbrio ou instabilidade.

A duração dos episódios pode variar entre alguns minutos até horas e, frequentemente, são acompanhados por náuseas e vómitos intensos. De um modo geral, as cefaleias, a fala arrastada, a visão dupla, a fraqueza de um dos membros superiores ou inferiores e os movimentos descoordenados são sinais de que a vertigem é causada por um distúrbio neurológico cerebral e não um por um problema limitado ao ouvido.

Os idosos ou aqueles que utilizam medicamentos para doenças cardíacas ou para a hipertensão arterial podem apresentar tonturas ou desmaiar quando se levantam abruptamente. Isto acontece devido a uma descida momentânea da tensão arterial (hipotensão ortostática) que dura apenas alguns segundos. Pode muitas vezes ser evitada pondo-se de pé mais lentamente ou usando meias compressivas.

Existem inúmeras causas para as vertigens. O corpo deteta a postura e controla o equilíbrio através de órgãos do equilíbrio localizados no ouvido interno. Esses possuem conexões nervosas com áreas específicas do cérebro que permitem manter o equilíbrio. Daí que vertigem possa ser causada por distúrbios do ouvido, dos nervos que ligam o ouvido ao cérebro ou do próprio cérebro - em otites agudas ou crónicas mais agressivas, as substâncias tóxicas podem propagar-se para o ouvido interno e interferir no bom funcionamento deste para o equilíbrio. Pode também estar relacionada com problemas visuais ou com alterações súbitas da tensão arterial, mas também com labirintite, neurite, traumatismo crânio-encefálico, tumores do nervo auditivo ou cerebrais, acidentes vasculares cerebrais, meningite, ototoxicidade por determinados medicamentos, barotraumatismo por variação de pressão, entre outros. Uma arritmia cardíaca, uma hipoglicémia, uma descida brusca da tensão arterial, a ansiedade que leva o paciente a constantes inspirações profundas, podem originar quadros de síncopes confundidos com vertigens. Também a mudança de graduação das lentes dos óculos pode provocar este quadro.

A causa mais comum é a doença do movimento, que pode ocorrer em qualquer indivíduo cujo ouvido interno é sensível a determinados movimentos, como o balanço ou as travagens e acelerações bruscas. Essas pessoas podem sentir-se particularmente tontas durante viagens de carro ou de barco. Este tipo tende a ser mais comum nas mulheres e é mais frequente em pessoas idosas, nem sempre se sabendo precisamente qual a sua causa. Em alguns casos, esta condição ocorre após um traumatismo craniano, redução do fluxo sanguíneo em certas regiões do cérebro, uma infeção viral, após uma cirurgia ao ouvido ou aleitamento prolongado.

A doença de Ménière ocasiona crises episódicas e abruptas de vertigem, juntamente com zumbidos nos ouvidos e surdez progressiva.

Podem ainda ser causadas por infeções bacterianas ou virais, tumores, pressão anormal, inflamação de nervos ou substâncias tóxicas que afetem as estruturas referidas. A nível cerebral, ocorrem no contexto das enxaquecas, após um acidente vascular cerebral, na sequência de episódios transitórios de isquemia ou na esclerose múltipla.

O diagnóstico passa pela história clínica e pelo exame médico do sistema auditivo ou do sistema nervoso. Alguns testes permitem provocar um episódio de vertigem e, desse modo, ajudam a perceber qual a sua causa. Exames como audiometria, impedanciometria, potenciais evocados, electro ou videonistagmografia, posturografia e exames imagiológicos (tomografia computorizada ou ressonância magnética) são frequentemente utilizados.

Alguns casos não requerem tratamento, desaparecendo de modo espontâneo. Noutros existem determinadas manobras que podem ser executadas e que permitem controlá-las. Dependendo da sua causa existem outras possibilidades de tratamento como fármacos anti-inflamatórios ou antieméticos (se existirem vómitos significativos) entre outros.

Qualquer pessoa pode sentir vertigens e não existe nenhum modo de prevenir um primeiro episódio. Uma vez que causam uma forte sensação de desequilíbrio, é importante evitar situações nas quais possa ocorrer quedas.

Fontes

American Academy of Family Physicians, 2014

Mayo Foundation for Medical Education and Research, 2013

MedicineNet, 2014

Vestibular Disorders Association, 2014

Doenças relacionadas