O que é a nevrite vestibular?

Ouvidos, nariz e garganta
Prevenção e bem-estar
1 min leitura

A nevrite vestibular é uma inflamação do nervo vestibular após um quadro de vertigem aguda, que pode manter a sensação de desequilíbrio durante semanas.

A nevrite vestibular é uma inflamação do nervo vestibular, ou seja, de um dos nervos do ouvido interno, responsável pela manutenção do equilíbrio. Manifesta-se por um quadro de vertigem aguda, rotatória, com duração igual ou superior a 24 horas. Ao inflamar, este nervo interrompe a forma como é transmitida informação ao cérebro, causando a sensação de vertigem e desequilíbrio.

Esta doença é mais frequente entre os 40 e 50 anos (mas não exclusiva), atingindo igualmente ambos os sexos. A sua causa não está completamente esclarecida, mas pensa-se que seja viral (por reativação dos vírus herpes simplex e vírus herpes zoster).

 

Quais são os sintomas?

Alguns dos sintomas da nevrite vestibular são comuns a outras doenças que afetam o ouvido interno:

  • Sensação de vertigem geralmente muito intensa e incapacitante (isto é, a sensação de que as coisas ou a própria pessoa se movem) e tonturas (desorientação espacial), que agravam com qualquer movimento da cabeça:
  • Sentir desequilíbrio, ou seja, dificuldade em manter estabilidade em pé e de andar em linha reta;
  • Sentir-se maldisposto, enjoado e com vómitos, podendo ainda ter alterações intestinais, extremidades suadas e mesmo taquicardia.

 

Muitas vezes, estes sintomas obrigam o paciente a recorrer a um serviço de urgência, desencadeando ansiedade intensa associada a perda temporária de autonomia.

Se existir perda de audição em associação com a vertigem, estamos perante outra doença, a labirintite.

 

Como se diagnostica esta doença?

O diagnóstico da nevrite vestibular baseia-se nos sintomas e na observação médica orientada para os problemas de equilíbrio onde, entre outros sinais, se pesquisa a existência de nistagmo espontâneo com características específicas (movimento dos olhos, involuntário e conjugado). São também realizadas provas de coordenação e de marcha e existem ainda exames complementares como a videonistagmografia (VNG), video Head Impulse Test (vHIT) e posturografia dinâmica computorizada, úteis não só no diagnóstico, mas também na diferenciação de muitas outras doenças que também podem afetar o ouvido interno, tendo como um dos principais sintomas a existência de vertigem.

Se existirem suspeitas de alterações no sistema nervoso central, como o caso de determinados acidentes vasculares cerebrais (AVC) ou de um tumor do ouvido interno, pode ser necessário um exame de imagem como a Ressonância Magnética Nuclear ou uma Tomografia Computorizada (TC).

 

A nevrite vestibular pode confundir-se com outras doenças que afetam o equilíbrio?

Sim, isso pode acontecer. É necessário distinguir esta doença de outras como:

  • Labirintite: em que existe perda de audição;
  • Doença de Ménière: em que existem várias crises de vertigem associadas a perda de audição flutuante e zumbido, além de sensação de ouvido tapado;
  • Enxaqueca vestibular: enxaqueca associada a vertigem;
  • Vertigem posicional paroxística benigna: a chamada “vertigem dos cristais”. Pode surgir após uma nevrite vestibular. O tratamento é realizado com manobras de reposicionamento dos otólitos.

 

O que fazer perante uma nevrite vestibular?

Perante uma nevrite vestibular são administrados medicamentos corticoides, pela sua ação anti-inflamatória, medicamentos que atuam sobre a circulação do ouvido interno - como é o caso da Betahistina - e medicamentos para as náuseas e vómitos - estes últimos apenas enquanto os sintomas persistem.

O tempo de recuperação desta inflamação do ouvido interno geralmente é de quatro a seis semanas, dependendo muito da mobilização precoce, da extensão das lesões e do próprio estado geral da pessoa. Apesar de uma boa recuperação clínica, podemos encontrar alterações nos exames complementares em cerca de 30 % dos pacientes assintomáticos.

Quanto mais cedo a pessoa se movimentar (mesmo que se sinta pior quando o faz), mais rápida será a sua recuperação. Inicialmente, pode fazer exercícios em casa (orientados pelo médico assistente ou terapeuta) e, posteriormente, ao ar livre, como é o caso de caminhadas, preferencialmente acompanhado, de forma a aumentar a sua confiança e a minimizar o risco de queda.

Existem ainda tratamentos de reabilitação prescritos e orientados em consulta específica de vertigem, de forma a promover uma melhor e mais célere recuperação. É o caso dos tratamentos com estimulações optocinéticas (realizados com luzes) e tratamentos realizados em posturografia.

 

A nevrite vestibular pode reaparecer?

Habitualmente, esta doença não recidiva, existindo porém raros casos descritos no ouvido oposto ao afetado.

 

A nevrite vestibular é uma das sequelas da COVID-19?

Esta inflamação tem sido mencionada em alguns estudos como coexistindo com a  COVID-19. O vírus SARS-CoV-2 pode também atingir o ouvido interno, inflamando o nervo vestibular. No entanto, é necessária mais investigação científica sobre o tema para avaliar a relação entre as duas doenças.

Fontes:

Frontiers Neurology, janeiro 2023

MSD Manuals, janeiro 2023

NHS, janeiro 2023

Publicado a 23/01/2024