Transplante de menisco

O que é?
Técnica Cirúrgica
Complicações

Em alguns casos, depois de uma cirurgia em que se retira a totalidade ou parte significativa do menisco, a pressão exercida na cartilagem do joelho aumenta e pode originar dor e limitação da função articular. A síndrome pós-meniscectomia, como é designado, representa um estado de descompensação articular antes da artrose, por falta do tecido meniscal.

O transplante de menisco é uma técnica de cirurgia reconstrutiva do joelho, indicada nestes casos de síndrome pós-meniscectomia, em que se coloca um menisco “novo”, proveniente de um banco de tecidos humanos (à semelhança do que acontece nos transplantes de outros órgãos). O principal objetivo desta cirurgia é o tratamento da dor e melhoria da função do joelho afetado nas atividades da sua vida diária. A prática desportiva deve ser encarada como objetivo secundário, neste contexto.

O candidato ideal é aquele ou aquela, a quem foi retirado um menisco, apresenta dor e limitação funcional referidas ao compartimento sem menisco, tem idade inferior a 50 anos, sem lesão ou com uma lesão limitada da cartilagem, sem desvios do eixo mecânico e com um joelho estável. No entanto, joelhos com desvios do eixo e/ou instabilidades que possam ser corrigidos cirurgicamente, também podem ser submetidos ao transplante de menisco. Não são candidatos a este procedimento, indivíduos com doença articular inflamatória, com infeções ativas, obesos, com diminuição da imunidade, crianças ou com artrose do joelho já estabelecida.

 

A técnica do transplante de menisco é realizada por artroscopia, com recurso a câmara de imagem e instrumentos específicos. Além das 2 ou 3 pequenas incisões da artroscopia, podem ser necessárias outras incisões acessórias para a correta fixação do menisco. Utilizamos meniscos provenientes de um banco de tecidos humanos, por intermédio do Centro de Histocompatibilidade do Sul (autoridade nacional para transplantação), estando garantidas as condições de conservação com técnica de criopreservação e a realização de testes de rastreio de doenças potencialmente contagiosas.

A principal causa de falência do transplante de menisco é a sua rotura, tal como um menisco original.

Nas complicações possíveis, incluem-se a infeção, a lesão neurovascular, a rigidez articular e a progressão da artrose. O risco de transmissão de doenças infecciosas é muito reduzido, dado o processo de preparação do tecido meniscal, e estima-se a sua ocorrência em 0,000001% (1 caso em 1 milhão de doentes operados).