Gastrite

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

A parede do estômago está, em condições normais, protegida dos efeitos do ácido que nele é produzido. Quando está danificada, esse ácido consegue penetrar na mucosa lesando-a ainda mais. Algumas gastrites evoluem com a erosão da mucosa, causando hemorragia e úlceras.

Existem vários tipos de gastrite: a aguda e a crónica. No primeiro caso, surge de um modo súbito e intenso. No segundo, a bactéria Helicobacter pylori é um dos seus agentes responsáveis. Trata-se de uma das infeções mais frequentes no mundo, atingindo mais de 50% da humanidade e mais de 90% dos adultos em alguns continentes e países, incluindo Portugal. Aqui estima-se que cerca de 50% das crianças com oito anos de idade já têm gastrite causada pela Helicobacter pylori e o número de pessoas infetadas vai aumentando com a idade, de tal modo que essa percentagem passa para mais de 90% nos indivíduos com 50 anos. Em Portugal, a prevalência de doentes sem queixas ronda os 80%. E se não for tratada, pode arrastar-se durante anos ou mesmo toda a vida.

Muitos doentes referem dor ou desconforto na parte superior do abdómen mas em muitos casos não existem quaisquer sintomas.

  • Para lá da dor, podem ocorrer náuseas e vómitos;
  • Em muitos casos, existe uma sensação de enfartamento após as refeições;
  • No caso da gastrite erosiva, podem surgir vómitos ou fezes com sangue;
  • Pode complicar-se, evoluindo para úlcera, formação de pólipos e tumores benignos ou malignos;

Nas formas crónicas causadas pelo Helicobacter pylori pode ocorrer atrofia da mucosa, com destruição das células que produzem o ácido e as enzimas essenciais à digestão, podendo estar na origem de alguns tipos de cancro.

A maioria dos casos de gastrite crónica é consequência da infeção pela Helicobacter pylori. Esta bactéria é transmitida entre pessoas através de comida ou água contaminadas.

No caso da gastrite erosiva, quer aguda quer crónica, a causa mais comum é o uso prolongado de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides, como a aspirina ou o ibuprofeno. O álcool, cocaína e as radiações também podem originar gastrite erosiva. Pode ocorrer após um acidente, uma grande cirurgia, uma doença grave ou queimaduras extensas. Nestes casos, fala-se em gastrite por stress.

Surgem ainda no contexto de doenças autoimunes, doença de Crohn e infeções por vírus, parasitas e outras bactérias que não a Helicobacter pylori.

O risco de gastrite aumenta com a idade porque a mucosa que reveste o estômago tende a ficar mais fina e, por isso, mais frágil. A presença de refluxo de bílis para o estômago está igualmente na origem da gastrite.

O teste mais importante é a endoscopia com biopsia do estômago. A biópsia significa a recolha de pequenas amostras de tecido da mucosa que são posteriormente analisadas. São também úteis a realização de exames radiológicos, análises laboratoriais, estudo das fezes e testes para identificação da Helicobacter pylori. Esta pode ser detetada mediante um simples teste respiratório.

É importante a utilização de medicamentos que reduzam os níveis de ácido no estômago, de modo a conseguir-se diminuir a dor ou desconforto abdominais. Nesses fármacos incluem-se os antiácidos, os bloqueadores dos recetores da histamina e os inibidores da bomba de protões, cabendo sempre ao médico a seleção da terapêutica mais adequada a cada caso. Se a sua causa for a utilização de anti-inflamatórios, é importante que essa medicação seja revista e alterada em conformidade.

O tratamento da infeção por Helicobacter pylori é muito importante, mesmo se não existirem sintomas, já que pode evoluir para a formação de úlceras ou cancro do estômago. O tratamento consiste, habitualmente, numa combinação de inibidores da bomba de protões e de antibióticos.

Existem algumas medidas simples que podem ajudar a aliviar os seus sintomas e a prevenir o seu aparecimento:

  • Comer várias vezes por dia, em pequenas quantidades, de modo a facilitar o processo de digestão que ocorre no estômago, sem o sobrecarregar;
  • Evitar alimentos irritantes como os picantes, ácidos, fritos ou gordos. O álcool deve ser consumido como moderação e, nos casos mais graves, deve ser evitado;
  • Gerir adequadamente o stress é igualmente importante no alívio dos sintomas;

Lavar as mãos frequentemente e procurar ingerir alimentos bem cozinhados, uma vez que a Helicobacter pylori pode ser transmitida pela água ou comida

Fontes

Mayo Foundation for Medical Education and Research, Abril, 2011

National Digestive Diseases Information Clearinghouse (NDDIC), Abril 2012

University of Maryland Medical Center, Janeiro 2011

NewYork-Presbyterian Hospital, Novembro 2008

Harvard Medical School - Portugal Program, 2010

M. R. Silva e col., Identificação dos polimorfismos dos genes il1b, il1rn e tnfa na gastrite crónica associada à infecção por helicobacter pylori e no carcinoma gástrico, J Port Gastrenterol 2008; 15: 8-14