O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

É um sintoma de uma perturbação digestiva e não uma doença em si. Ocorre, por exemplo, no refluxo gastroesofágico, condição na qual o conteúdo ácido do estômago reflui para o esófago lesando as suas paredes.

A azia faz parte de um quadro mais abrangente de sintomas que se designam por dispepsia, termo que significa má digestão. Esta caracteriza-se por um conjunto de sinais que se relacionam com a digestão dos alimentos, tais como dor ou desconforto abdominal, sensação de enfartamento, eructações, vómitos, azia ou perda de apetite. Trata-se de um problema comum e estima-se que cerca de 30% da população adulta sofra ou tenha sofrido desta patologia. Em Portugal, cerca de 3% a 4% das consultas médicas de clínica geral são devidas a esta sintomatologia.

A sua sensação começa habitualmente no esterno e pode subir até à garganta. É mais comum depois das refeições ou quando o paciente está deitado, podendo durar minutos ou horas. De um modo geral, manifesta-se sob a forma de uma impressão de ardor ou queimadura que pode agravar quando se engole. Essa ardência resulta da irritação causada pelo refluxo do conteúdo do estômago para o esófago. Noutros casos, surge como um sabor amargo na boca. Este sintoma não deve ser confundido com dificuldade em engolir, que se designa por disfagia, e que pode ocorrer em diversas doenças como a esofagite ou o cancro do esófago. Em alguns casos, associa-se a um quadro de tosse crónica, igualmente resultante da irritação do esófago pelo conteúdo do estômago. Se esta condição não for tratada e se ocorrer com frequência, a lesão repetida das paredes do esófago poderá causar perdas de sangue e um progressivo estreitamento do canal, dificultando a deglutição. Podem ainda ocorrer úlceras no esófago e, se a agressão for prolongada, existe o risco de desenvolvimento de cancro do esófago. A dor da azia pode simular a que ocorre durante um ataque cardíaco e é importante, em caso de dúvida, recorrer com urgência ao médico.

Durante uma refeição, os alimentos passam da boca para o estômago através de um tubo, chamado esófago. Em condições normais, a ligação entre o esófago e o estômago não permite que os alimentos ou as secreções do estômago voltem para trás. Se esse mecanismo não funcionar devidamente, o ácido do estômago consegue alcançar as paredes do esófago irritando-as e causando azia. Uma das causas desse refluxo é a hérnia do hiato, condição na qual uma parte do estômago passa para cima do diafragma, entrando na cavidade torácica.

Uma refeição muito abundante, a inclinação do corpo para a frente e a posição horizontal são fatores que podem contribuir para o refluxo e, portanto, para a ocorrência de azia.

A gravidez, o stress, o tabaco, o café (mesmo o descafeinado), o álcool, as bebidas com gás, os citrinos, o tomate, o chocolate, a menta, a cebola e os alimentos muito gordos ou picantes são outras causas associadas a esta sintomatologia.

Dentro dos medicamentos, a aspirina, o ibuprofeno, alguns sedativos e anti-hipertensores também podem provocar este quadro.

Perante um doente com queixas de azia, o médico deve tentar obter, através da história clínica e do exame objetivo, uma hipótese diagnóstica, tão precisa quanto possível.  Muitas vezes, estes elementos são suficientes para se poder iniciar um tratamento, sendo importante uma reavaliação algumas semanas depois. De facto, em muitos casos consegue-se deste modo uma melhoria importante sem ser necessário efetuar outros exames. Noutros casos, essa investigação pode ser relevantes e, dentro dela, destacam-se a endoscopia digestiva alta e o teste respiratório para pesquisa de helicobacter pylori.

Existem diversos medicamentos úteis para o seu tratamento. As classes de fármacos mais utilizadas são os antiácidos, os bloqueadores dos recetores H2 e os inibidores da bomba de protões. Estes pretendem reduzir a secreção de ácido do estômago ou neutralizá-la, de modo a que a lesão do esófago seja menos significativa na presença de refluxo. Todos estas substâncias devem ser receitadas pelo médico, que saberá selecionar qual a mais indicada para cada caso. Em casos mais graves, poderá ser necessário o recurso à cirurgia para a correção da causa do refluxo.

Existem diversas medidas não médicas que podem ajudar a combater a azia, tais como comer pelo menos duas a três horas antes de ir dormir, deitar-se com a cabeceira elevada, deixar de fumar, perder peso, não comer em excesso, evitar roupas muito apertadas e alimentos que tendem a causar o problema. Estas indicações ajudam a prevenir o refluxo do conteúdo do estômago para o esófago ou a reduzir a formação de ácido no estômago.

Fontes

Familydoctor.org, Julho 2009

Teresa Lopes e col., Dispepsia, 2010

NHS Choices, Junho 2012

The Regents of The University of California, 2013

Doenças relacionadas