Oclusão venosa da retina

O que é?
Sintomas
Causas
Tratamento

A oclusão venosa retiniana consiste numa obstrução total ou parcial das veias da retina e é segunda causa mais frequente de doença vascular  da retina. A obstrução do sistema venososo retiniano conduz ao ingurgitamento e dilatação das veias da retina, hemorragias, edema do disco óptico, edema e isquémia da retina.

As oclusões retinianas podem ser divididas em oclusão da veia central da retina e oclusão de ramo venoso. A oclusão venosa de ramo é mais frequente (cerca de 80% dos casos) e apresenta melhor prognóstico.

Os sintomas dependem do local acometido e da gravidade da oclusão. Habitualmente, como sintomas iniciais  os doentes referem diminuição unilateral, súbita e indolor da acuidade visual acompanha da de alterações a nível do campo visual.

A etiliogia da oclusão venosa é multofactorial. Inicialmente ocorre a formação de um trombo ao nível da veia central da retina ou em um dos seus ramos e depois proliferação endotelial e uma reacção inflamatória. 

Os fatores de risco conhecidos são hipertensão  arterial, idade avançada, dislipidémia, distúrbios da coagulação, glaucoma, entre outros.

Habitualmente  manifesta-se em doentes com idade superior a 50 anos e com hipertensão arterial. Quando presente em doentes jovens sem fatores de risco conhecidos, devem ser investigadas outras causas. 

A escolha do tratamento deve ser realizada tendo em consideração a acuidade visual e a gravidade da condição clínica. Neste momento, dispomos de diversos tratamentos, nomeadamente  injeções intravítreas de fármacos antiangiogénicos, fotocoagulação laser e corticóides. Tendo em consideração a diversidade de tratamentos de que dispomos, cada doente deve ser considerado individualmente e a orientação terapêutica deve ser enquadrada a cada situação clínica. É de salientar a importância da investigação dos fatores sistémicos de risco, de acordo com a faixa etária do doente e o seu controlo, prevenindo deste modo uma reoclusão e o envolvimento do olho contralateral.