Sinéquia dos pequenos lábios: o que é?

Bebés e crianças
2 mins leitura

Pode ocorrer em crianças do sexo feminino e preocupa os pais, mas a boa notícia é que a sinéquia dos pequenos lábios é tratável e não tem implicações futuras.

Sinéquia (ou aderência dos pequenos lábios) é uma situação frequente (entre 2 a 5%) nas crianças do sexo feminino antes da puberdade, sobretudo entre os três meses e os seis anos, em que ocorre fusão dos pequenos lábios entre si (em redor do orifício externo da vagina), formando uma estreita membrana brilhante, que se pensa ser devida aos baixos níveis de estrogénio que são próprios desta idade, inflamações locais ou contacto com substâncias irritantes.

 

Gravidade do problema

A gravidade ou extensão é muito variável, desde uma fusão quase completa - embora permaneça sempre um pequeno orifício que permite a passagem da urina - até casos mais ligeiros em que apenas se verifica fusão ao longo de 30 a 50% do comprimento total dos pequenos lábios.

 

Quais são os sintomas?

Trata-se de uma situação geralmente assintomática, que não motiva habitualmente qualquer problema urológico ou ginecológico, sendo quase sempre detetada numa observação de rotina pelo médico assistente ou pelos próprios pais (mais frequentemente ao mudar a fralda).

Muito raramente podem ocorrer infeções urinárias, irritação local ou perdas de urina relacionadas com a retenção de pequenas quantidades de urina que ficam retidas dentro dos pequenos lábios e são expelidas depois da criança ter urinado normalmente.

 

Tem consequências?

Este problema não tem qualquer implicação na vida futura das raparigas, não afetando o normal desenvolvimento sexual ou fertilidade. No entanto, quando se observa uma alteração dos genitais externos (por exemplo, hímen imperfurado) várias outras patologias devem ser excluídas.

 

O tratamento da sinéquia dos pequenos lábios

O tratamento, se indicado, deve ser conservador (aplicação de cremes locais - lubrificantes ou contendo estrogénios - ou descolamento feito com pomada anestésica), uma vez que mesmo os casos não tratados habitualmente se curam espontaneamente durante a puberdade, provavelmente dado o aumento dos níveis de estrogénio.

Além disso, a separação dos pequenos lábios pode ser dolorosa e recidivar (reaparecer) várias vezes até à idade da primeira menstruação.

Publicado a 02/03/2015