Hipertensão arterial

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

É a elevação da pressão arterial acima dos valores considerados normais. Ocorre quando há uma pressão excessiva do sangue na parede das artérias durante a sua circulação. Pode aumentar em alguns momentos, devido a esforços físicos ou emocionais, e é natural que, após essas situações, os seus valores voltem aos níveis normais. Esta patologia só é grave e causa problemas de saúde quando permanece elevada ao longo de meses, ou quando aumenta subitamente.

É importante saber que a tensão tem tendência a subir com a idade. Contudo, a hipertensão não deve ser considerada normal nos idosos.

Como regra, considera-se estar na presença de hipertensão arterial, quando a pressão máxima é maior ou igual a 160 mmHge/ou a pressão mínima é maior ou igual a 95 mmHge.

A hipertensão arterial associa-se tanto à doença coronária, como ao acidente vascular cerebral (AVC) e à insuficiência cardíaca e é o fator de risco cardiovascular modificável mais frequente, razão pela qual o seu tratamento é essencial na prevenção destas patologias.

As doenças cardiovasculares são a causa de morte de, pelo menos, 34,1% da população portuguesa, fundamentalmente como consequência de AVC e da doença coronária.

Estima-se que a prevalência de hipertensão arterial na população adulta portuguesa seja de 42,1%, estando apenas 39,0% destes doentes medicados com fármacos anti hipertensores e só 11,2% estão controlados.

Nos primeiros anos, não provoca quaisquer sintomas. Com o decorrer do tempo, a pressão arterial acaba por lesar os vasos sanguíneos e os principais órgãos do organismo, como o cérebro, o coração e os rins provocando dores de cabeça, tonturas, zumbidos e aumento da frequência cardíaca. As principais doenças associadas à hipertensão arterial são o AVC, a angina de peito, o enfarte do miocárdio, a aterosclerose, a insuficiência cardíaca e renal.

Cerca de 90% dos casos estão relacionados com os hábitos de vida.

  • A obesidade é um dos fatores importantes. Cada meio quilo de gordura requer a formação de mais 1,5 quilómetros de pequenos vasos sanguíneos para abastecerem o excesso de tecido adiposo. Torna-se necessária uma pressão arterial acrescida para bombear o sangue através deles. Por esta razão, um excesso de peso na ordem dos 20% ou mais aumenta o risco de hipertensão em cinco vezes;
  • O excesso de consumo de sal. Sabe-se que a tensão alta é menos frequente nas populações onde o seu consumo é baixo. O nosso corpo necessita somente de 1/8 de uma colher de chá de sal por dia;
  • O tabaco é outra causa a considerar. Mesmo só um cigarro pode aumentá-la durante cerca de 30 minutos. Um fumador de um maço por dia, pode, só através do fumo, provocar uma subida da sua tensão arterial durante 24 horas;
  • Cerca de 5% a 15% dos casos podem estar relacionados com o consumo moderado de álcool. Por outro lado, uma chávena de café por dia pode provocar uma subida da tensão arterial;
  • Inatividade física e stress também estão na sua origem;

Os restantes 10% de hipertensão arterial têm causas orgânicas, como algumas alterações hormonais, doenças dos rins ou dos vasos sanguíneos.

Importa não esquecer que a hipertensão arterial não se sente, mede-se. De modo a se obterem valores corretos é importante, antes de a medir, descansar na posição sentada pelo menos durante cinco minutos. Deve-se utilizar o mesmo aparelho e medir sempre no mesmo braço.

O diagnóstico de hipertensão arterial requer a medição de uma pressão arterial elevada em três ocasiões diferentes ao longo de um período de uma semana ou mais.

Uma vez confirmada a sua existência, devem ser também realizados outros exames que ajudem a entender a sua origem e/ou as complicações a ela associadas.

O seu tratamento depende da gravidade. Por exemplo, pessoas com uma hipertensão moderada podem controlá-la com a simples alteração de alguns hábitos de vida, tais como a redução do consumo de sal e de álcool, o controlo do peso, a prática regular de exercício físico e deixar de fumar.

Existem diversos medicamentos disponíveis para o tratamento da hipertensão arterial que podem ser utilizados isoladamente ou em combinação. Cabe ao médico decidir qual o melhor tratamento para cada situação.

Uma vez que a maioria dos casos tem a sua origem no estilo de vida, importa que este seja saudável. Todas as recomendações referidas no tratamento permitem prevenir o aparecimento desta doença.

Fontes

Nuno Cortez-Dias e col., Prevalência e Padrões de Tratamento da Hipertensão Arterial nos Cuidados de Saúde Primários em Portugal. Resultados do Estudo VALSIM, Rev Port Cardiol 2009; 28 (5): 499-523

Carlos Martins, Hipertensão Arterial, Núcleo de Actividades Preventivas da APMCG, Departamento de Clínica Geral da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Associação Portuguesa de Medicina Preventiva, 2013

The Johns Hopkins University, 2013