Isquemia

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

É o termo médico que designa a presença de um fluxo de sangue e oxigénio inadequado a uma parte específica do organismo. Pode ocorrer em qualquer local, como o coração, cérebro, membros, intestinos, olhos e resulta, habitualmente, de um estreitamento ou bloqueio das artérias que alimentam a área afetada.

Esta  condição grave pode causar lesão dos tecidos, a perda de um membro ou, mesmo, a morte.

Os sintomas dependem do local onde ocorre e da rapidez da sua instalação. Quando o processo é gradual, o organismo vai conseguindo compensar fornecendo irrigação à região atingida por outras artérias. Esse mecanismo permite manter o paciente livre de sintomas durante muito tempo. Quando é súbito os sintomas são mais exuberantes.

Quando a isquemia atinge os membros inferiores, as manifestações mais comuns são dor, sensação de queimadura e cãibras musculares durante a marcha. Esses sinais aliviam com o repouso, mas podem evoluir para quadros de dor grave em descanso ou, mesmo, perda de tecido, com gangrena. Este quadro obriga a cuidados médicos imediatos.

Se a isquemia for súbita, a dor é mais intensa, os pulsos não são palpáveis, o membro fica frio e pálido, ocorrendo fraqueza e perda de sensibilidade. É obrigatória a procura de cuidados médicos imediatos.

A nível do coração leva à angina de peito, caracterizada por dor na região torácica que surge com a marcha ou com o esforço e que alivia com o repouso. Se a isquemia cardíaca for súbita, pode ocorrer um enfarte do miocárdio.

No cérebro, provoca acidentes vasculares cerebrais na forma aguda e sintomas mais inespecíficos, como perda de memória ou dificuldade de concentração, quando se instala gradualmente.

Nos intestinos, o bloqueio das artérias tende a ocorrer gradualmente causando dores abdominais após as refeições. O paciente passa a ter receio de se alimentar, para evitar a dor, o que provoca perda de peso. Na forma aguda, pode ocorrer gangrena intestinal com dor súbita e intensa que requer cuidados médicos urgentes.

Nos olhos, a oclusão da artéria que alimenta a retina, origina um quadro de perda súbita de visão que implica uma avaliação urgente.

As principais causas e fatores de risco são a aterosclerose, o tabaco, a idade avançada, os elevados níveis de colesterol, a hipertensão arterial, a diabetes, uma história familiar de doença cardiovascular, uma vida sedentária e a obesidade.

O diagnóstico depende da sua localização, mas os sintomas são sempre uma primeira fonte de suspeita. Os exames passam pelo estudo com eco doppler, angiografia, cateterismo, ressonância magnética ou tomografia computorizada, dependendo dos casos e dos órgãos atingidos. Podem ser solicitados outros testes para estudar melhor a isquemia e detetar os fatores de risco a ela associados.

Também o tratamento depende da região afetada e da sua gravidade. Em todos os casos, o controlo dos fatores de risco é um aspeto essencial do tratamento. E de um modo geral, os tratamentos têm como objetivo melhorar o fluxo sanguíneo para as áreas comprometidas.

No caso concreto da isquemia dos membros inferiores, está demonstrado que deixar de fumar é crucial para prevenir a progressão da isquemia e impedir a perda do membro atingido. Podem ainda ser utilizadas diversas classes de medicamentos com ação hipotensora, vasodilatadora, orientadas para o controlo do colesterol, analgésicos ou outros. O exercício físico devidamente aconselhado pode ser útil na isquemia dos membros inferiores e na angina de peito. Permite perder peso, controlar a pressão arterial e a diabetes e reduzir o colesterol.

Existem diversas opções cirúrgicas para o tratamento da isquemia: angioplastia (dilatação das artérias obstruídas com um balão e/ou reforço da parede da artéria), cirurgia de bypass para criar vias alternativas de irrigação dos territórios atingidos, administração de fármacos que dissolvem os coágulos diretamente nas artérias ou cirurgia para remoção de placas de aterosclerose.

Deve basear-se na prevenção dos fatores de risco e na sua identificação e tratamento precoces. Assim o controlo da aterosclerose, do colesterol, da hipertensão arterial, da diabetes e do peso são essenciais. O tabaco deve ser evitado e o exercício físico estimulado.

Fontes

Vascular Disease Foundation, 2013

WebMed, Abril de 2012

American Heart Association, Novembro de 2012