Plaquetas baixas: o que pode significar

Prevenção e bem-estar
4 mins leitura

Quando ocorre uma hemorragia, são estas células do sangue que maioritariamente atuam para travá-la. Conheça as causas e tratamento das plaquetas baixas.

As plaquetas (ou trombócitos) são o “penso rápido” existente no sangue e que quando ocorre algum tipo de lesão nos vasos sanguíneos, como um corte, “trabalham” para limitar a hemorragia. As plaquetas formam os coágulos sanguíneos que atuam como uma espécie de “rolha”, evitando perdas excessivas de sangue. Quando os níveis de plaquetas estão muito baixos (trombocitopenia) esta função de “penso rápido” fica comprometida, facilitando a hemorragia. Conheça o que pode causar e como se podem manifestar algumas situações de trombocitopenia.

 

O que são as plaquetas?

As plaquetas são células do nosso sistema sanguíneo responsáveis pela coagulação do sangue, limitando hemorragias. As plaquetas são essenciais para que consigamos cicatrizar lesões traumáticas (como cortes e feridas), assim como combater certas patologias, como o cancro e algumas doenças crónicas.

Estas células do sangue são produzidas na medula óssea, que se encontra no interior dos ossos, e circulam pelos vasos sanguíneos durante cerca de dez dias até serem depois destruídas e substituídas por plaquetas novas.

 

Níveis normais de plaquetas

A contagem de plaquetas é feita através da análise a uma amostra de sangue. São considerados níveis normais quando a contagem de plaquetas se encontra dentro do intervalo de 150 mil a 400 mil por microlitro de sangue. O risco de hemorragia aumenta quando a contagem de plaquetas está abaixo do valor mínimo normal. Contudo, problemas graves de dificuldade na coagulação habitualmente só ocorrem quando a contagem é inferior a 80 mil a 100 mil por microlitro de sangue.

Abaixo destes níveis, o risco de hemorragia pode ser mais ou menos grave consoante a concentração de plaquetas e abaixo de 10 mil por microlitro pode ocorrer hemorragia espontânea e consequente risco de vida.

 

Sabia que…

As mulheres geralmente apresentam ligeiras variações na contagem de plaquetas durante a menstruação e podem apresentar níveis mais baixos perto do final da gravidez.

 

Plaquetas baixas: quais as causas?

Uma baixa contagem de plaquetas pode dever-se sobretudo a diminuição da capacidade de produzir plaquetas ou degradação rápida ou prematura das plaquetas em circulação ou disfunção das plaquetas existentes.

Algumas causas de trombocitopenia:

  • Doenças da medula óssea
  • Alguns tipos de anemia
  • Alguns tratamentos oncológicos (radioterapia e quimioterapia)
  • Exposição a alguns vírus, como o Epstein-Barr, hepatite e VIH
  • Doenças autoimunes, como a Púrpura
  • Aumento do tamanho do baço (esplenomegalia) - este órgão atua como “filtro” do sangue e quando está aumentado pode impedir que as plaquetas circulem
  • Hereditariedade
  • Exposição a químicos tóxicos
  • Alguns medicamentos
  • Elevada ingestão de álcool

 

Cancro e as plaquetas

A baixa contagem de plaquetas é um efeito secundário possível associado a alguns  tratamentos do cancro, como certos tipos de quimioterapia, que interferem com a função da medula óssea, reduzindo a sua capacidade de produzir plaquetas. Contudo, estas perturbações são habitualmente temporárias.

Alguns tipos de cancro, como em casos de leucemia e linfoma, podem impedir o produção normal de plaquetas.

 

Esteja atento a estes sintomas

Regra geral, os sintomas de trombocitopenia só ocorrem quando os níveis de plaquetas estão muito abaixo do normal:

  • Aparecimento de nódoas negras com facilidade e hemorragias anormais
  • Elevada perda de sangue com um pequeno corte
  • Sangramento nasal ou das gengivas
  • Hemorragia abundante durante a menstruação

 

Como é feito o diagnóstico?

Para diagnosticar a trombocitopenia, o seu médico assistente avalia os sintomas, história familiar e medicação e realiza o exame físico, investigando, nomeadamente, a possível existência de nódoas negras.

As análises sanguíneas vão permitir avaliar a concentração de plaquetas no sangue.

Em casos específicos, poderá ser necessário proceder a uma biópsia da medula óssea.

 

Em que consiste o tratamento

Quando a contagem de plaquetas está apenas ligeiramente abaixo dos níveis normais, poderá não ser necessário qualquer tratamento.

Quando há manifestação de sintomas, o médico assistente poderá tratar diretamente a causa, fazendo, por exemplo, alterações à medicação tomada pelo doente ou tratando um problema de saúde preexistente.

Em alguns casos, a transfusão de plaquetas pode ser indicada.

 

Para se proteger…

Pessoas diagnosticadas com trombocitopenia podem reduzir o risco de complicações através da adoção de alguns cuidados:

  • Evitar situações que possam provocar nódoas negras ou feridas.
  • Informar sempre as equipas de cuidados de saúde sobre esta condição, caso tenha um diagnóstico prévio de baixa de plaquetas.
  • Informar-se junto do seu médico assistente ou farmacêutico antes da toma de medicamentos não sujeitos a receita médica, como aspirina.
  • Prevenir infeções, especialmente importante no caso de pessoas em quem o baço foi removido.

 

Em caso de dúvidas ou surgimento de sintomas, fale com o seu médico assistente.

Doenças