Ptose palpebral

Pálpebra caída
O que é?
Tipos de Ptose Palpebral
Sintomas
Tratamento

Ptose palpebral corresponde à queda da pálpebra superior. É habitualmente causada por uma disfunção do músculo levantador da pálpebra superior, responsável pela sua elevação. A ptose, além do impacto estético, poderá causar uma restrição do campo visual superior ou até mesmo a oclusão do eixo visual. A ptose não deve ser confundida com a presença de uma prega de pele redundante (dermatocalasia), que se desenvolve com frequência em idades mais avançadas.

A ptose palpebral pode ser uni ou bilateral e, consoante a idade de aparecimento, pode dividir-se em congénita ou adquirida:

Ptose congénita: Está presente desde o nascimento. Alterações durante o desenvolvimento do músculo levantador da pálpebra levam a um défice na sua função e a uma incapacidade de elevar normalmente a pálpebra. Quando a pálpebra superior oclui o eixo visual existe risco de ambliopia (limitação do desenvolvimento da visão), e a sua correção deve ser discutida.

Ptose adquirida: Desenvolve-se mais tardiamente e divide-se em aponevrótica, traumática, mecânica, neuropática ou miopática. Uma história clínica detalhada associada a um exame objetivo completo permitem habitualmente a identificação da causa. A ptose aponevrótica ou involucional é a mais frequente, ocorre de forma progressiva em idades mais avançadas por laxidão e estiramento do tendão de inserção do músculo levantador da pálpebra superior. Existem outros fatores que poderãoassocia-se à queda da pálpebra, por exemplo um trauma direto (ptose traumática), ou a presença de uma lesão que, pelo seu peso, pode limitar o movimento palpebral (ptose mecânica). A ptose neuropática deve-se a uma disfunção na enervação do músculo e está associada a casos de paralisia do III par craniano, síndrome de Horner, esclerose múltipla, síndrome de Guillian- Barré, entre outros. A ptose miogénica resulta de uma disfunção do próprio músculo e associa-se com frequência a alterações dos movimentos dos olhos no contexto de patologias como a oftalmoplegia externa progressiva, distrofia miotônica, miastenia gravis, entre outras.

Na ptose, além do aspeto caído da pálpebra pode ocorrer uma redução do campo visual superior. A sobrancelha eleva-se do mesmo lado da ptose na tentativa de elevar indiretamente a pálpebra, e em casos mais avançados e sobretudo bilaterais, existe a necessidade de elevar o queixo e inclinar a cabeça para trás na tentativa de melhorar a visão.

 

Elevação cirúrgica da(s) pálpebra(s) afetada(s). As técnicas variam de acordo com o tipo e gravidade da ptose bem como com a função do músculo levantador da pálpebra superior, podendo ser divididas em 3 tipos: avanço da aponevrose do músculo levantador da pálpebra superior, suspensão da pálpebra ao musculo frontal ou ressecção do músculo de Muller, localizado na face posterior da pálpebra.