Infeção urinária no bebé

O que é?
Sintomas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

A infeção urinária (IU) é das infeções mais frequentes na criança, logo a seguir às do aparelho respiratório e gastrointestinal. A partir dos 3 meses, é mais frequente nas raparigas e os sintomas dependem da região do aparelho urinário infetado, da idade, da gravidade e de possíveis anomalias urinárias subjacentes. 

As principais responsáveis pela infeção são as bactérias gastrointestinais, na grande maioria a Escherichia coli que invadem o aparelho urinário por via ascendente.

Se a infeção estiver localizada no rim (pielonefrite) a maioria das crianças apresenta febre elevada e dor abdominal. Se for muito jovem (recém nascido ou latente) pode não ter febre mas recusar a alimentação, não aumentar de peso, vomitar ou simplesmente não estar bem.

 Nas infeções localizadas à bexiga (cistites) e principalmente nas crianças mais crescidas, o principal sintoma é a dor ao urinar, jato interrompido (chichi às “pinguinhas”), o aumento da frequência das micções e às vezes a incontinência urinária. A urina infetada pode ser fétida, mais carregada, turva e até ter sangue. Nem todas as meninas com estes sintomas têm infeção urinária, podendo tratar-se de um episódio de vulvovaginite.

Para confirmar o diagnóstico é necessário obter uma amostra de urina que para além de identificar o micro-organismo, permite saber a sua sensibilidade aos antibióticos.

As infeções devem ser tratadas com antibiótico para eliminar os sintomas, erradicar as bactérias do aparelho urinário e evitar possíveis sequelas (cicatrizes renais).

 Nas crianças febris mais jovens, nas que têm doença mais grave, nas que vomitam ou nas que têm anomalias dos rins ou das vias urinárias pode justificar-se o internamento para administrar os antibióticos por via intravenosa até a infeção estar debelada.

 A IU pode ser o primeiro sinal revelador de anomalia do aparelho urinário. Portanto, em alguns casos (ex. crianças pequenas com febre, rapazes, alteração das vias urinárias detectada na ecografia pré-natal, crianças com infeções urinárias de repetição), é muito importante que seja desencadeado um estudo do aparelho urinário. Admite-se que num pequeno número de crianças, a infeção dos rins pode deixar lesão renal permanente (cicatriz renal). Se essas lesões forem extensas, múltiplas e bilaterais podem condicionar mais tarde hipertensão arterial e/ou insuficiência renal.

A prevenção da IU implica uma ingestão de água adequada, esvaziar regular e frequentemente a bexiga e realizar uma limpeza correta do períneo. A obstipação e as parasitoses intestinais devem também ser tratadas. Nalgumas circunstâncias é necessário recorrer a antibióticos preventivos durante um período variável dependendo da idade da criança, das anomalias subjacentes e do risco de reinfeção.

Fontes

Margarida Faleiro

Pediatra Nefrologista, hospital CUF Descobertas

Doenças relacionadas