Fraturas de stress

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

Este tipo de fraturas corresponde a uma pequena solução de continuidade do osso. Podem resultar de um excesso de uso, como acontece em desportos de alto-impacto (corrida de fundo ou basquetebol). O ténis, ginástica e dança também se associam a maior risco de fraturas de stress, dado o impacto repetido do pé no solo.

 

A maioria destas fraturas ocorre nos ossos que suportam peso do pé e da região inferior da perna.

 

Quando os músculos estão fatigados deixam de ser capazes de absorver o choque resultante dos impactos repetidos e transferem esse stress para os ossos, o que pode originar as pequenas fraturas.

 

Os locais mais comuns são o segundo e terceiro metatarsos do pé, o calcâneo, o peróneo e um osso na região mediana do pé.

Um dos sintomas mais comuns é uma dor que se desenvolve gradualmente, aumenta com as atividades que implicam carga e diminui com o repouso.

 

Pode ocorrer inchaço no pé ou na parte exterior do tornozelo e sensibilidade ao toque no local da fraturas.

 

Por vezes, verifica-se a formação de um hematoma.

Como foi referido, as fraturas de stress ocorrem em atividades de impacto elevado e dependem da frequência, duração e intensidade do exercício.

 

As pessoas que não praticam exercício também podem desenvolver fraturas de stress. Na presença de osteoporose ou de outras doenças que enfraqueçam o osso, mesmo as atividades diárias podem causar uma fraturas de stress. Esta condição é referida como insuficiência óssea.

 

Um mau condicionamento, ou seja, a prática de demasiado exercício demasiado cedo, é um importante fator de risco para as fraturas de stress.

 

A utilização de equipamento gasto ou inadequado é outro fator a considerar, bem como uma mudança na superfície onde o exercício é praticado.

 

Uma técnica inadequada que altere a mecânica de absorção dos impactos no solo.

 

Por vezes, a presença de uma bolha, de um calo ou de uma tendinite afetam o modo como o pé absorve o impacto do solo e podem aumentar o risco por obrigarem uma menor área de osso a suportar mais peso do que o usual.

 

No género feminino, a ausência ou irregularidade do período menstrual associam-se a uma diminuição da densidade óssea, aumentando o risco de fraturas.

A observação médica e a história clínica são o ponto de partida para o diagnóstico.

 

As fraturas de stress são difíceis de visualizar numa radiografia, a não ser na fase de cicatrização.

 

A ressonância magnética é o meio de diagnóstico mais eficaz na deteção deste tipo de fraturas.

Sempre que se suspeita de uma fraturas de stress é muito importante interromper de imediato a atividade e repousar. Ignorar a dor pode conduzir a uma fraturas total.

 

Deve-se aplicar gelo e elevar o pé acima do nível do coração. Os anti-inflamatórios ajudam a controlar a dor e o inchaço mas podem retardar a cicatrização óssea.

 

O tratamento depende da localização da fraturas e da sua gravidade e tem como objetivo o retorno ao nível prévio de atividade.

 

Como se referiu, o repouso é muito importante. De um modo geral, são necessárias 6 a 8 semanas para que uma fraturas de stress cicatrize.

 

Durante esse período, podem ser realizadas atividades que não impliquem carga sobre a perna e sobre o pé, como o ciclismo ou a natação. Contudo, é fundamental não iniciar qualquer tipo de atividade sem aprovação médica.

 

Pode ser recomendada a utilização de calçado protector, que reduz a pressão sobre o pé e a perna, ou de uma tala que fixe o pé e permita uma cicatrização mais favorável. O uso de canadianas também auxilia a recuperação.

 

Em alguns casos, a cirurgia é importante, recorrendo-se a uma fixação interna do osso com parafusos ou placas que permite uma recuperação mais rápida.

 

Quando a cicatrização estiver concluída, as atividades serão retomadas gradualmente. Uma possibilidade é alternar dias de repouso com dias de atividade, aumentando-se de um modo gradual a frequência, duração e intensidade do exercício.

 

Outra estratégia é alternar os tipos de exercício praticados de modo a evitar esforços repetidos sobre o pé e tornozelo. Se tal não for feito, poderão ocorrer fraturas mais extensas e mais difíceis de cicatrizar, causando problemas crónicos.

Uma dieta saudável é muito importante, devendo conter cálcio e vitamina D de modo a estimular a formação de osso e reforçar a sua estrutura.

 

O uso de equipamento adequado e em boas condições ajuda a reduzir a tensão sobre o pé e perna.

 

A prática de exercícios diferentes de um modo alternado evita o stress repetitivo, principal causa das fraturas de stress.

 

Qualquer nova atividade deve ser iniciada de modo gradual, aumentando a duração, velocidade e distância a ritmo aproximado de 10% por semana.

 

O treino de força ajuda a prevenir a fadiga muscular e evita a redução da densidade óssea que tende a ocorrer com a idade.

Fontes

 

American Academy of Family Physicians

Mayo Clinic, 2008

American Academy of Orthopaedic Surgeons, 2007

Familydoctor.org, Dez. 2010

American Orthopaedic Foot & Ankle Society

Pedro Saraiva, Reabilitação das instabilidades crónicas do tornozelo, Rev. Medicina Desp. in forma, 1 (6): 18-20, 2010,

Vítor Moreira e col., Entorses Do Tornozelo: do Diagnóstico ao Tratamento, Perspectiva Fisiátrica, Acta Med Port 2008; 21: 285-292

American College of Foot and Ankle Surgeons, 2009

The Regents of The University of California, 2012

Thomas W. Kaminski e col., Factors Contributing to Chronic Ankle Instability: A Strength Perspective, J Athl Train. 2002 Oct-Dec; 37(4): 394–405

Marc Reis e col., A Instabilidade Crónica da Articulação Tibio-Társica: Etiologia, Fisiopatologia e Métodos de Medição e Avaliação, Revista Portuguesa de Fisioterapia no Desport, 6 (1): 6-16