Esporão calcâneo

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

Um esporão calcâneo é uma pequena projeção de osso que se forma no osso do calcanhar, o calcâneo. Resulta de uma pressão intensa sobre a planta do pé durante longos períodos de tempo.

Durante a marcha, cada um dos calcanhares suporta o peso de todo o corpo de forma alternada. Essa carga é aliviada por camadas de tecido situadas sob o calcanhar. 

Quando se pratica desporto sem um adequado aquecimento, pode ocorrer sobrecarga para os músculos gémeos da perna e para o tendão de Aquiles, que se insere no calcâneo.

Quando este tendão está sob stress, essa pressão é transmitida para a planta do pé, causando inflamação ou pequenas roturas nos tecidos.

Durante o repouso, os músculos da planta do pé contraem-se para tentarem proteger a área afectada e a dor vai diminuindo, regressando após se reiniciar a marcha ou corrida.

Para compensar essa lesão repetida, o organismo irá tentar um processo de reparação semelhante ao que ocorre após uma fractura, criando tecido ósseo em torno da área inflamada. Assim se forma a projecção de osso a que se chama “esporão calcâneo”.

O esporão calcâneo em si não provoca dor e é apenas o resultado de um processo de sobrecarga continuada. A dor resulta da inflamação das estruturas adjacentes.

Estima-se que 11 a 27% da população apresenta evidência radiográfica de esporão calcâneo, nem sempre associado a dor. As mulheres são mais afetadas e o esporão calcâneo é mais comum em pessoas com mais idade, sobretudo depois dos 40 anos, e com excesso de peso.

O esporão calcâneo manifesta-se por dor intensa na região inferior ou interna do calcanhar.

Quando o peso do corpo é colocado sobre o calcanhar afectado, a dor é suficientemente forte para causar a imediata imobilização da marcha.

Essa dor alivia com o repouso, agrava com o esforço e tende a ser mais acentuada de manhã.

Os nervos e os capilares vão-se adaptando ao longo da marcha e, por isso, a dor é mais forte no início da marcha. Quando se descansa, os capilares e nervos também repousam. Assim que a marcha é reiniciada, o nível de exigência sobre os vasos sanguíneos e nervos aumenta, surgindo novamente a dor, até que essas estruturas se adaptem de novo ao esporão.

A marcha sobre superfícies duras ou acompanhada do transporte de objectos pesado, como uma mochila, acentua a dor. Um salto torna a dor mais intensa. A dor pode ser mais localizada no início mas tende a abranger todo o calcanhar. Em casos extremos, esta dor pode interferir com as actividades diárias.

O esporão calcâneo é mais comum em pessoas com mais idade, sobretudo depois dos 40 anos, e com excesso de peso.

A osteoartrite, a artrite reumatóide, a insuficiência circulatória e outras doenças degenerativas também se associam a um maior risco de esporão calcâneo. Pode existir uma tendência genética para este quadro.

A presença de “pé chato” ou um arco plantar muito acentuado aumentam também o risco de desenvolvimento de esporão calcâneo.

No que se refere ao desporto, a corrida de fundo é um factor importante.

Correr na praia ou em superfícies muito inclinadas também torna mais provável o desenvolvimento de um esporão.

O diagnóstico baseia-se no exame médico e é confirmado pela radiografia ou pela ressonância magnética, que permitem excluir outras causas de dor, como a gota ou artrite.

O esporão calcâneo pode ser difícil de tratar. Contudo, em muitos casos, as alterações são discretas e recuperam ao longo do tempo.

O tratamento passa pelo repouso, utilização de gelo, compressão da área afectada e elevação do membro inferior. Em alguns casos, o calor é benéfico no alívio da dor.

Os anti-inflamatórios ajudam a controlar a dor e a inflamação. Por vezes, uma injecção de corticoides na área afectada pode ser útil.

O calcanhar pode ser suportado pela utilização de uma sola especial, que deverá ser prescrita pelo médico.

Alguns casos beneficiam de tratamentos como a diatermia ou os ultra-sons.

A cirurgia permite a remoção do esporão e está indicada quando as medidas mais conservadoras não são eficazes.

O aquecimento antes do início de qualquer actividade desportiva é essencial. É igualmente importante manter níveis adequados de actividade sem excesso de esforço ou sobrecarga. A manutenção de um peso saudável ajuda a reduzir a pressão sobre os calcanhares.

Fontes

American Academy of Family Physicians

Mayo Clinic, 2008

American Academy of Orthopaedic Surgeons, 2007

Familydoctor.org, Dez. 2010

American Orthopaedic Foot & Ankle Society

Pedro Saraiva, Reabilitação das instabilidades crónicas do tornozelo, Rev. Medicina Desp. in forma, 1 (6): 18-20, 2010,

Vítor Moreira e col., Entorses Do Tornozelo: do Diagnóstico ao Tratamento, Perspectiva Fisiátrica, Acta Med Port 2008; 21: 285-292

American College of Foot and Ankle Surgeons, 2009

The Regents of The University of California, 2012

Thomas W. Kaminski e col., Factors Contributing to Chronic Ankle Instability: A Strength Perspective, J Athl Train. 2002 Oct-Dec; 37(4): 394–405

Marc Reis e col., A Instabilidade Crónica da Articulação Tibio-Társica: Etiologia, Fisiopatologia e Métodos de Medição e Avaliação, Revista Portuguesa de Fisioterapia no Desport, 6 (1): 6-16

Conteúdo elaborado com o apoio de InfoCiência