Demência

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

Demência é um termo genérico, utilizado para designar um conjunto de doenças nas quais existe deterioração do desempenho cognitivo e comportamental, condicionando a autonomia.

Existem diversas demências e são raras as que se podem tratar ou prevenir eficazmente. Acredita-se, no entanto, que um estilo de vida saudável possa retardar o surgimento da maioria.

 

Demência sem perda de autonomia

Quando há um desempenho cognitivo inferior à idade e escolaridade mas o doente é capaz de realizar todas as tarefas que antes assumia, tem um defeito cognitivo ligeiro. Esta categoria representa um estado de transição entre a normalidade e a demência, sendo que a conversão ocorre a um ritmo de 15% por ano.

 

Que funções se podem perder com a demência?

Os principais domínios cognitivos que podem ser afetados são: 

  • A capacidade de organização, planeamento, decisão e julgamento (funções executivas);
  • A capacidade de reter e evocar informação (memória);
  • A capacidade de expressão e compreensão verbal (linguagem); 
  • A capacidade de reconhecer pessoas e objetos (gnose);
  • A capacidade de orientação no espaço e de produzir sequências de atos motores (praxis).

Cada categoria de demência tende a afetar estes domínios cognitivos num padrão relativamente típico. Tal decorre, por um lado, da predileção que cada uma delas tem por determinadas regiões do cérebro e, por outro, da relevância que cada uma destas categorias assume para cada função cognitiva.

 

Como se classificam as demências?

São várias as classificações utilizadas, sendo que uma das que se mostrou clinicamente mais útil as divide em:

  • Primárias (degenerativas, em que a demência é a própria doença);
  • Secundárias (em que há outra patologia que se manifesta por demência);

Entre as últimas há algumas passíveis de serem tratadas e/ou prevenidas, sublinhando a importância de um diagnóstico correto, para o qual contribuem a colheita pormenorizada da história clínica, o exame neurológico e neuro psicológico, e o uso compreensivo de exames laboratoriais e imagiológicos.

 

Quais são as demências mais comuns?

As principais são:

  • Doença de Alzheimer (que representa cerca de dois terços de todos os casos);
  • Demência frontotemporal;
  • Demência com corpos de Lewy;
  • Demência vascular (destas, a única secundária).

 

Qual a taxa de prevalência da demência?

No que toca à frequência, os dados epidemiológicos mais abundantes referem-se à doença de Alzheimer. A sua taxa de prevalência, que aumenta exponencialmente com a idade, varia de até 1% entre os 60 e os 65 anos a quase 50% acima dos 90 anos, estimando-se um total superior a 150 mil pacientes em Portugal e 35 milhões em todo o mundo.

Os sintomas devem-se principalmente às alterações da memória que se podem agravar ao longo dos anos:

  • Perda de memórias recentes
  • Dificuldade em perceber o tempo e o espaço comuns- onde está, qual o dia ou ano presente
  • Dificuldade na comunicação oral e escrita e uso de palavras erradas
  • Perde de objetos comuns e dificuldade em tarefas diárias
  • Perda de iniciativa e de interesses
  • Alterações do humor e de personalidade, irritabilidade inexplicável

As demências podem ser motivadas por perda de células cerebrais e doença neurodegenerativa que acontecem com o avançar da idade, no entanto, a envelhecimento não significa demência! Outras causas de demência podem ser: AVC, traumatismos,tumor cerebral, doença cerebrovascular, depressão, alcoolismo.

É realizado pelo médico assistente que analisa a história do paciente e realiza um exame físico. Fatores importantes são: alterações da atenção, orientação, memória, julgamento, linguagem, habilidades motoras e espaciais; exclusão de outras patologias-por definição, a demência não se deve a depressão major ou esquizofrenia. Exames complementares podem incluir testes de memória e psicotécnicos, exames de sangue e urina, exames de imagem (RMN, TAC) eletroencefalograma,etc, consoante o tipo de manifestações da doença.

Se excluirmos a pequena percentagem de causas tratáveis de demência, para a maioria não existe tratamento curativo ou que altere a história natural da doença. No entanto já existem fármacos muito úteis, quer para otimizar as funções cognitivas (como os inibidores da acetilcolinestérase ou a memantina), quer para reduzir a disfunção comportamental (como os antidepressivos e os anti psicóticos).

Não há uma forma definitiva de prevenir a demência, mas é possível indicar alguns cuidados a ter: 

  • Na doença de Alzheimer é benéfico um estilo de vida saudável, com alimentação equilibrada, exercício físico regular, consumo moderado de vinho e controlo adequado de fatores de risco vascular, sobretudo hipertensão arterial
  • No caso da demência vascular isto assume um papel ainda mais relevante, combinado com estratégias farmacológicas para evitar novos enfartes cerebrais
  • Uma das teorias mais atrativas aponta a reserva cognitiva, resultante de múltiplas variáveis (como o quociente de inteligência, o nível de instrução, a adesão a atividades culturais e de lazer), como responsável por uma maior resistência à deterioração cognitiva. Assim, quanto maior a reserva de um indivíduo, mais tarde fica clinicamente doente, embora o seu cérebro possa já ter sinais histológicos da patologia há muitos anos
Fontes:

Cleveland Clinic

Medical News Today