Amigdalite

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

A dor de garganta (cuja designação clínica é odinofagia) é um sintoma frequente. Pode significar um processo inflamatório da orofaringe, isto é, das amígdalas ou da faringe. No primeiro caso, estamos perante uma amigdalite. No segundo trata-se de uma faringite aguda.

É uma inflamação geralmente aguda, mas que também pode ser crónica, das amígdalas palatinas por bactérias ou por vírus. Estas, tais como os adenoides, são tecidos linfoides que quando em bom estado ajudam a prevenir infeções.

A amigdalite manifesta-se por:

  • Dor de garganta
  • Febre (grau variável)
  • Dificuldade em engolir
  • Dor de ouvidos (reflexa)
  • Mau estar geral

A hipertrofia das amígdalas palatinas e adenoides tem como sintomas mais comuns:

  • Respiração bucal
  • Roncopatia
  • Paragens respiratórias durante o sono (apneias de sono)
  • Dificuldades de deglutição
  • Voz nasalada

É uma inflamação geralmente aguda, mas que também pode ser crónica, das amígdalas, causada por bactérias (geralmente estreptococos) ou vírus.

Na observação da boca aparece uma vermelhidão na garganta com ou sem pontos brancos (pus). Os sintomas podem ser comuns a outras doenças graves e devem ser observados e tratados pelo médico.

O tratamento das amigdalites agudas depende de:

  • Idade, condições gerais de saúde e antecedentes
  • Extensão da infeção
  • Tipo de infeção
  • Tolerância do paciente para medicamentos e procedimentos médicos
  • Evolução da infeção

A terapêutica pode ser médica (com medicamentos) ou cirúrgica, dependente da causa, extensão, repetição ou severidade dos quadros. Os antibióticos podem ser úteis mas nem sempre necessários, se a causa for um vírus. Já as amigdalites crónicas são uma inflamação caracterizada por hipertrofia amigdalina com criptas marcadas, por vezes com pus, hiperemiadas e com cheiro fétido; a terapêutica médica geralmente é pouco eficaz e deve-se ponderar a intervenção cirúrgica.

A indicação cirúrgica surge igualmente quando se tem um número elevado de amigdalites, hipertrofia amigdalina que leve à síndrome de apneia obstrutiva do sono, suspeita de neoplasias ou história de complicação. Existem diferentes técnicas para amigdalectomia, sendo as mais frequentes a por dissecção fria, por eletrocauterização, por laser, por coblation e por radiofrequência.

Para reduzir o risco de desenvolver amigdalite, deve:

  • Lavar as mãos frequentemente, principalmente antes de tocar no nariz ou na boca
  • Evitar partilhar alimentos, bebidas ou utensílios com alguém que esteja doente
  • Substituir a escova de dentes regularmente
Fontes:

Cleveland Clinic