Uveítes

O que é?
Causas
Sintomas
Tratamento

Uveíte é um termo genérico que engloba um conjunto de patologias
oftalmológicas raras, com uma prevalência aproximada de 100 casos por cada
100.000 pessoas, mas potencialmente graves, sendo responsáveis por 10 a
15% dos casos de cegueira.


Por definição, a uveíte é uma inflamação da úvea, a camada vascular do globo
ocular. A úvea, por sua vez, pode dividir-se em úvea anterior (constituída pela íris e corpo ciliar), que está em contacto com o cristalino e estruturas anteriores do globo ocular e úvea posterior (coroideia), que está em contacto direto com a retina. A úvea é o tecido mais vascularizado do corpo humano.

 

Esta riqueza em vasos sanguíneos prende-se com a sua função de
nutrição dos fotorreceptores da retina, principais células responsáveis pela
visão. No entanto, esta característica da úvea também a torna altamente
suscetível a processos infeciosos ou inflamatórios, locais ou com origem
noutros pontos do organismo.

Existem dezenas de doenças que podem causar uveíte. No entanto, em mais
de 50% dos casos não se consegue identificar uma causa concreta. As causas
possíveis podem agrupar-se em:

  • Infeciosas, como a toxoplasmose, tuberculose, vírus ou endoftalmite bacteriana ou fúngica;
  • Doenças autoimunes sistémicas, nomeadamente doença de Behçet, sarcoidose, espondilite anquilosante, doença inflamatória intestinal, artrite idiopática juvenil, artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistémico;
  • Doenças autoimunes específicas do olho, como por exemplo retinocoroidopatia de birdshot ou uveíte heterocrómica de Fuchs;
  • Traumáticas.

Os sinais e sintomas associados à uveíte são variados e dependem da
estrutura ocular envolvida:

  • Se a parte anterior do olho for afetada, os sintomas incluem sensibilidade à luz (fotofobia), olho vermelho, turvação visual e dor ocular
  • Se a parte posterior do olho for afetada, os sintomas oculares incluem perda visual, flashes de luz (fotópsias) e moscas volantes (miodesópsias).

A uveíte pode afectar um ou os dois olhos e ter uma instalação súbita ou
ocorrer ao longo de vários dias. Se não for tratada ou se for diagnosticada
tardiamente, a uveíte pode resultar em glaucoma, catarata, descolamento de
retina ou perda visual permanente.

O tratamento desta patologia depende da sua causa. Em caso de
etiologia infeciosa são utilizados anti-infeciosos (antibióticos ou antivirais,
por exemplo) de forma a eliminar o micro-organismo responsável. Na
maioria dos casos é necessário combater a inflamação recorrendo a
imunossupressão, que diminui a atividade do sistema imunitário.

Os corticóides são geralmente utilizados como primeira linha e podem ser prescritos de forma local (com o uso de gotas oftálmicas ou injeções) ou
sistémica (comprimidos). No caso de uveítes graves pode ser necessário
realizar outros medicamentos imunossupressores de forma a controlar a
inflamação de forma efectiva. Algumas complicações, como a catarata,
glaucoma ou descolamento de retina poderão ter indicação cirúrgica.

Doenças relacionadas