Molusco contagioso

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

É uma infeção viral cutânea comum e contagiosa provocada por um vírus, muito frequente em crianças, sobretudo nas que têm eczema atópico, embora por vezes também possa aparecer em adultos. Causa nódulos ou pápulas elevadas com o centro deprimido, semelhantes a pérolas, de cor branca, rosada ou amarelada. 

O vírus afeta principalmente menores de 15 anos. As pápulas geralmente são indolores e não dão prurido. Podem afetar qualquer área da pele, mas situam-se normalmente no tronco, braços e pernas. Geralmente curam sem intervenção entre seis a 12 meses e não deixam cicatrizes. Em casos menos comuns, pode levar até quatro anos para a cura ocorrer.

Não tem qualquer gravidade ou influência na saúde geral e, por isso, não faz parte da lista legal de doenças de evicção escolar obrigatória.

Manifesta-se pelo aparecimento de pequenas bolinhas da cor da pele ou ligeiramente amareladas. O tamanho varia entre a cabeça de alfinete e os três milímetros. Podem atingir qualquer local, face, tronco ou membros, e variam em número entre a meia dúzia e as dezenas de lesões.

É contraído por contágio direto, habitualmente em ambientes húmidos como piscinas ou balneários. A humidade amolece a pele e facilita a penetração do vírus.

O diagnóstico é baseado no aspeto característico da lesão. Em caso de dúvida, pode ser realizada uma biópsia da pele para confirmação do diagnóstico.

Não há um tratamento específico. Normalmente a abordagem inicial é com produtos corrosivos. Pretende-se com a sua aplicação destruir os moluscos e provocar alguma irritação em volta das lesões. Esta vai ajudar o organismo da criança a criar defesas contra o vírus, facilitando a sua eliminação e protegendo-a de futuras reinfeções. Se este método falhar faz-se uma anestesia local com aplicação de cremes anestésicos e removem-se os moluscos por raspagem.

Pode prevenir-se esta condição evitando o contato direto com as lesões cutâneas de uma pessoa infetada. O tratamento do eczema subjacente em crianças pode ajudar a impedir a propagação do molusco contagioso.

Deve evitar-se a partilha de toalhas e fatos de banho.

Nas situações de transmissão por via sexual, a prevenção deve ser feita com o recurso a preservativos.

Fontes:

Cleveland Clinic

Medical News Today

Molusco contagioso, Grupo Português de Dermatologia Pediátrica, Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia

Doenças relacionadas