Eczema atópico e de contacto alérgico: quais as diferenças?

Bebés e crianças
Doenças crónicas
Pele, unhas e cabelo
3 mins leitura

São patologias comuns que afetam o maior órgão do nosso corpo: a pele. No entanto, têm causas, sintomas e tratamentos distintos. Aprenda a distinguir o eczema.

O eczema atópico é uma doença inflamatória crónica muito prevalente, nomeadamente na infância, tendo grande impacto na qualidade de vida dos doentes e familiares. Na maior parte dos casos, o eczema atópico desaparece nos primeiros anos de vida, mas pode manifestar-se na idade adulta.

Por outro lado, o eczema de contacto alérgico consiste numa reação inflamatória da pele causada pela exposição a determinadas substâncias, como detergentes.

Fique a conhecer cada uma destas doenças da pele, das causas ao tratamento.

 

Sobre o eczema atópico

  • Causas

O eczema atópico é multifatorial, intervindo fatores genéticos (os filhos de pais com dermatite atópica, asma ou rinite alérgica têm maior probabilidade de ter um terreno atópico), alterações do sistema imunitário e alterações na barreira cutânea. Há maior risco de aparecimento de asma ou de rinite.

 

  • Sintomas

Os sintomas do eczema atópico incluem pele seca e áspera, comichão, placas vermelhas e crostas, localizadas sobretudo no rosto, no pescoço e nas pregas (designadamente nas dobras dos joelhos e cotovelos), mas também nas mãos e nas pálpebras. Em casos mais graves, pode atingir todo o corpo. O calor, a transpiração e o stress podem agravar os sintomas.

 

Sobre o eczema de contacto alérgico

  • Causas

O eczema de contacto alérgico é uma reação inflamatória da pele provocada pela exposição, primária ou crónica (repetida ou continuada), a um produto ou substância, como cosméticos, perfumes, tintas de cabelo, sabões, detergentes e metais (botões, brincos, relógios), entre outros.

 

  • Sintomas

Os sintomas incluem vermelhidão, inchaço, prurido, vesículas ou bolhas e restringem-se normalmente ao local do contacto, com muita frequência as mãos. A pele pode tornar-se mais espessa. Esta patologia afeta, em particular, pessoas com determinadas atividades profissionais, como, por exemplo, cabeleireiros e auxiliares de limpeza.

 

Como diagnosticar estes eczemas

A idade, a localização das lesões, a história pessoal e familiar de alergias, bem como os hábitos de lazer e a atividade profissional, no caso dos adultos, são fatores essenciais para estabelecer o diagnóstico. A realização de testes cutâneos, com exposição da pele a diferentes alergénios, permite determinar a substância causadora.

 

Como tratar

No eczema atópico, a pele deve ser bem hidratada com produtos emolientes, que permitem restaurar a função de barreira protetora da pele e evitar a sua colonização por bactérias e consequente infeção. Os banhos deverão ser rápidos, com água morna e produtos sem cheiro. Deve dar-se preferência à roupa de algodão. Os bebés podem ter de dormir com luvas para não se coçarem, o que pode provocar feridas. O médico poderá prescrever corticoides, anti-histamínicos (para alívio da comichão), antibióticos (quando há infeção) e imunomoduladores.

No eczema de contacto alérgico, é preciso evitar o contacto com as substâncias que provocam a alergia, substituindo-as por outras. O médico também poderá prescrever medicamentos para aliviar os sintomas.

 

Atenção!

A dermatite ou eczema atópico ou de contacto alérgico não são contagiosos. Contudo, na presença dos sintomas descritos, deve aconselhar-se com o médico pediatra ou dermatologista.