O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento

Icterícia é a coloração amarelada das escleróticas (isto é, da superfície branca do olho) e da pele. A icterícia não é uma doença per si, mas sim uma manifestação de doença. O seu grau é avaliado pela quantificação no sangue de uma substância denominada bilirrubina.

 

A icterícia tanto pode surgir de repente como desenvolver-se lentamente. Os principais sinais e sintomas da icterícia incluem: escleróticas e pele amarela, urina mais escura, fezes normais ou esbranquiçadas, consoante o tipo de doença subjacente.

 

 

Os glóbulos vermelhos do sangue degradam-se, têm um tempo de vida limitado, pelo que são renovados periodicamente, ou seja, quando uns terminam o seu tempo de vida são substituídos por outros. Esta renovação implica a intervenção do fígado, o qual tem por função limpar parte dos produtos de degradação dos glóbulos vermelhos. Desta renovação, surge um pigmento denominado bilirrubina, que quando se acumula no sangue provoca icterícia. Esta acumulação ocorre quando os glóbulos vermelhos se destroem mais que o normal ou quando o fígado não está a funcionar normalmente.

Os principais processos que podem causar aumento de bilirrubina no sangue e, por consequência, icterícia são:

  • Aumento da destruição dos glóbulos vermelhos, como nalguns tipos de anemia, nomeadamente anemias hemolíticas;
  • Diminuição da capacidade de conjugação do fígado;
  • Diminuição da capacidade de excreção do fígado 

Na maioria das vezes a menor capacidade de conjugação e excreção do fígado estão associadas. É o que ocorre na hepatite viral, que é uma das causas mais frequentes de icterícia na criança.

Quando há cálculos na vesícula o defeito principal é a excreção hepática.

Estes diferentes mecanismos condicionam o tipo de bilirrubina que se acumula no sangue. A análise ao sangue mede a bilirrubina total, a direta e a indireta. Também a tonalidade da icterícia pode variar consoante a doença subjacente. 

 

A presença de icterícia é detectada pelo exame clínico e implica uma investigação médica detalhada para identificação da sua causa. Neste contexto é importante repetir que a icterícia não é uma doença por si só, mas sim a manifestação visível de uma doença subjacente.

Após realizar a história clínica e o exame físico, o médico poderá solicitar a realização de alguns exames complementares, a começar por exames de sangue, que indicarão as quantidades de bilirrubina e glóbulos vermelhos presentes no sangue, além de mostrar o funcionamento do fígado através de testes específicos de função hepática. Outros exames podem ser realizados, mas dependem da causa subjacente à icterícia.

Os exames a pedir inicialmente são: hemograma, testes de função hepática, pesquisa de vírus e ecografia abdominal.

O tratamento da icterícia depende da sua causa. Portanto, só após se diagnosticar a doença que está a provocar a icterícia, podemos tratar o doente.

Doenças relacionadas