Top 8: fatores de risco para AVC

Cérebro e saúde mental
Doenças crónicas
Prevenção e bem-estar
5 mins leitura

O AVC pode ser um problema grave com risco alto de provocar incapacidade ou ser fatal. Felizmente, alguns dos fatores de risco podem ser controlados e tratados.

Um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorre quando a circulação sanguínea para determinada zona do nosso cérebro é interrompida, bastando apenas alguns minutos para que ocorra a morte de células cerebrais por não haver o fornecimento de oxigénio através do sangue.

Um dos primeiros passos na prevenção deste problema de saúde passa por conhecer os fatores que podem aumentar o seu risco e, sempre que possível, modificá-los, algo que é especialmente fácil no caso dos que estão associados a hábitos de vida. Por outro lado, há alguns fatores que não são modificáveis, como a idade, mas que ainda assim é bom conhecer.

 

1. Ter níveis de pressão arterial elevados

A pressão arterial alta, ou hipertensão, é a principal causa de AVC e o fator de risco controlável mais significativo. Mantenha os seus níveis de pressão arterial sob vigilância. Se é usual que os seus valores de pressão arterial sejam iguais ou superiores a 140/90 mmHg, é provável que o seu médico assistente prescreva um tratamento para normalizá-los.

 

2. Colesterol elevado

Quando os níveis de colesterol (substância gorda que o nosso corpo produz) no sangue estão muito altos pode formar-se um coágulo sanguíneo o que, por sua vez, pode levar a um AVC. Além disso, baixos níveis de colesterol HDL (o bom) são um fator de risco para AVC. Para manter os seus níveis de colesterol sob controlo meça-os com regularidade, aposte na ingestão de alimentos ricos em fibra e reduza o consumo de gorduras saturadas.

 

3. Ser fumador

A nicotina e o monóxido de carbono presentes no fumo dos cigarros provocam danos ao sistema cardiovascular, nomeadamente nos vasos sanguíneos, o que pode duplicar ou até quadruplicar o risco de AVC. O fumo leva à acumulação de gordura na principal artéria do nosso pescoço - a carótida -, favorece a vasoconstrição (vasos sanguíneos tornam-se mais estreitos) e torna o sangue mais espesso, aumentando a probabilidade de se formarem coágulos. Todos estes efeitos dificultam a circulação sanguínea. Deixar de fumar é a solução, assim como evitar a exposição a fumo passivo.

 

4. Ingerir álcool em excesso

A ingestão média de mais do que um copo por dia pela mulher, dois no caso do homem, pode levar a um aumento da pressão arterial. Quem bebe bebidas alcoólicas de forma exagerada apresenta um risco três vezes mais elevado de vir a sofrer um AVC, independentemente da sua idade. É, por isso, importante limitar o seu consumo a não mais do que duas bebidas alcoólicas por dia e ter pelo menos dois dias livres de álcool por semana.

 

5. Sofrer de diabetes

Se tem diabetes tipo 1 ou 2, mantenha os seus níveis de açúcar no sangue (ou glicose) sob controlo. Esta doença é um fator de risco para AVC, aumentando a sua probabilidade para o dobro face a pessoas da mesma idade e etnia sem diabetes. Muitos destes doentes têm também de lidar com pressão arterial e colesterol elevados e excesso de peso, todos eles fatores que aumentam o risco de AVC. Além disso, a diabetes provoca também danos nos vasos sanguíneos, contribuindo para o seu estreitamento. Se a ocorrência de um AVC coincidir com níveis de glicose elevados, os danos que este provoca no cérebro poderão ser mais extensos. Siga as indicações do seu médico assistente para manter a doença sob controlo e monitorize os seus níveis de açúcar no sangue.

 

6. Ter excesso de peso

O excesso de peso e obesidade estão associados a um risco aumentado de pressão arterial elevada, diabetes, doença cardíaca e AVC. Para controlar o risco, basta controlar o peso de modo a atingir o peso ideal de acordo com a sua altura.

 

7. Seguir uma alimentação desequilibrada

Dietas com um alto teor de colesterol e de gordura saturada contribuem para aumentar os níveis de colesterol no sangue. Uma alimentação rica em sódio (sal) pode aumentar a pressão arterial e dietas ricas em calorias podem favorecer a obesidade. Por outro lado, uma dieta composta pela ingestão de cinco ou mais porções de fruta e vegetais por dia pode reduzir o risco de AVC. Prefira também os alimentos frescos aos processados.

 

8. Não praticar atividade física

A inatividade física e um estilo de vida sedentário podem aumentar o seu risco de AVC, doença cardíaca, excesso de peso/obesidade, pressão arterial elevada, níveis de colesterol altos e diabetes. 150 minutos de atividade física por semana deve ser o seu objetivo - desde uma caminhada de meia hora a passo acelerado a exercícios de força, como abdominais ou treino com pesos -, mas o importante é que se mexa mais e passe menos tempo sentado.

 

Risco de AVC: Fatores que não pode controlar

Há fatores que podem aumentar o seu risco de vir a ter um AVC, mas que estão fora do seu controlo. Ainda assim, é importante conhecê-los:

  • Idade: a probabilidade de vir a ter um AVC aumenta com a idade tanto nos homens como nas mulheres.
  • Histórico familiar: se o seu pai, avô ou irmão teve um AVC, especialmente antes dos 65 anos, o seu risco é mais elevado.
  • Género: a prevalência e mortalidade do AVC é maior entre as mulheres.
  • Já ter sofrido um AVC, acidente isquémico transitório (AIT) ou ataque cardíaco aumenta o risco de futuro AVC.