Porque aumenta a queda de cabelo após a gravidez?

Gravidez
Pele, unhas e cabelo
Saúde da mulher
4 mins leitura

Muitas mulheres são surpreendidas por uma acentuação da queda de cabelo após a gravidez. Porque acontece? E é normal? Quando é que vai passar? Descubra aqui.

Já é de esperar que em certas alturas do ano a queda de cabelo sofra um aumento - a cada dois a três meses, o que faz parte do ciclo natural do cabelo. Contudo, se é mãe, é provável que já tenha sentido uma queda de cabelo superior ao habitual no período pós-parto.

Felizmente, pode respirar de alívio: é um processo normal e ao fim de alguns meses a queda deverá diminuir. É, no entanto, importante que se mantenha atenta e que adote alguns cuidados diariamente, de modo a manter a integridade do seu cabelo e tentar controlá-la.

 

O cabelo durante a gravidez

Durante a gravidez, o organismo feminino produz mais estrogénio (hormona sexual feminina). Esta hormona leva a que o cabelo permaneça na fase de crescimento, “impedindo-o” de cair. É por isso que, durante a gravidez, as mulheres costumam aparentar maior densidade capilar.

 

E o que acontece no pós-parto?

Por outro lado, alguns meses após ter o bebé, os níveis de estrogénio da mulher diminuem, regressando ao normal. Consequentemente, também o cabelo retoma o seu ciclo normal.

Até 60% do cabelo que está na fase de crescimento pode entrar na fase de repouso e cerca de três meses após o nascimento do seu filho muitas mulheres deparam-se com uma queda de cabelo superior ao esperado. Isto porque a queda de cabelo considerada normal foi adiada durante a gravidez e pode acontecer que depois ocorra toda de uma vez, num processo em que os folículos capilares rejuvenescem.

A queda de cabelo que costuma ocorrer no pós-parto não é, no entanto, grave ao ponto de provocar peladas ou perda de cabelo permanente.

 

Quando é que a queda de cabelo diminui?

Este fenómeno é normal e, felizmente, temporário. Segundo a American Academy of Dermatology, “a maioria das mulheres vê a sua densidade capilar voltar ao normal por volta do primeiro aniversário do seu filho. Muitas (…) até antes disso”. Ou seja, após seis a 12 meses é esperado que o cabelo da mulher volte ao normal e a queda diminua.

 

Cuidados a ter para reduzir a queda de cabelo após a gravidez

Para um cabelo mais saudável e uma redução da queda no pós-parto, há vários cuidados que pode adotar na sua rotina. Tome nota:

  • Assegure-se de que os seus níveis hormonais estão equilibrados. Para isso, fale com o seu médico assistente.
  • Evite penteados que puxem o cabelo, como tranças ou extensões.
  • Experimente um corte mais curto, que não só dá a ilusão de que o cabelo tem mais volume como requer menos cuidados. Uma dupla vantagem para as recém-mamãs com pouco tempo livre!
  • Opte por um champô que dê volume, pois dá ao cabelo a ilusão de maior densidade.
  • Prefira um condicionador para cabelos finos, com fórmulas mais leves e que não tiram volume ao cabelo. Por outro lado, evite os de hidratação intensa, que são muito “pesados”.
  • Aplique o condicionador apenas nas pontas; se o aplicar junto ao couro cabeludo o cabelo fica com um ar pesado e sem volume.
  • Compre uma escova com dentes finos e penteie o cabelo com suavidade, principalmente quando está molhado e consequentemente mais frágil.
  • Seque o cabelo a frio.
  • Aposte numa dieta rica em fruta e vegetais, que contêm flavonoides e antioxidantes, que protegem os folículos capilares e favorecer o crescimento do cabelo.
  • Fale com o seu médico assistente sobre suplementação alimentar. Poderá ser necessária a prescrição de, por exemplo, um complexo de vitamina B, vitamina C, vitamina E ou Zinco.

 

Consulte o seu médico assistente se…

Embora o aumento da queda de cabelo seja normal e temporário após o parto, é importante estar atenta. Se um ano após o nascimento do seu filho se mantiver uma queda de cabelo exagerada, recorra a um médico dermatologista. Há muitos motivos que podem estar na origem deste problema e é importante fazer um diagnóstico correto para que o tratamento seja eficaz.

Doenças