Como se deve iniciar a diversificação alimentar no bebé?

Bebés e crianças
5 mins leitura

Iniciar a diversificação alimentar é uma etapa essencial ao desenvolvimento do bebé, mas também uma fase de inúmeras dúvidas para os pais. Esclareça-as.

É após os quatro meses que o bebé pode iniciar a diversificação alimentar, isto é, vai poder começar a comer outros alimentos além do leite, pois é nesta idade de adquire as competências necessárias para esta nova fase da sua vida. Esta é necessária porque as necessidades nutricionais não são suficientemente satisfeitas pelo regime lácteo no que respeita a calorias, ferro e proteínas. Contudo, se a sua alimentação é feita unicamente com leite materno, o bebé pode e deve manter este regime em exclusivo até aos seis meses.

 

O primeiro passo para iniciar a diversificação alimentar

A introdução de novos alimentos deve ser gradual, tranquila e sem pressas para que o bebé se adapte a novas texturas, novos sabores e para que os pais possam, eventualmente, identificar alguma intolerância/reação alérgica. Nunca um alimento sólido deve ser administrado no biberão - deve ser sempre utilizada a colher.

É importante alertar que o bebé tem o chamado reflexo de extrusão até aos 4-5 meses de vida, que conduz à rejeição, por defesa, de todos os alimentos que lhe são colocados na parte anterior da língua. Assim sendo, este ato não significa rejeição do novo alimento, mas apenas que o seu desenvolvimento ainda não adquiriu a maturação necessária. Dê tempo ao bebé para se adaptar à colher.

 

Regras essenciais da diversificação alimentar

A diversificação alimentar deve ser adaptada à realidade socioeconómica e cultural de cada família, contudo, existem algumas regras que deverão ser respeitadas:

  • Comece por substituir uma refeição de leite por uma sopa de legumes ou por uma papa, de acordo com o critério do seu médico
  • O glúten deve ser introduzido a partir dos seis meses
  • A partir dos seis meses, deve-se introduzir a carne
  • O leite de vaca em natureza não deve ser introduzido antes de o bebé atingir um ano
  • A dieta não deve conter sal nem açúcar adicionados
  • Oferecer água simples no intervalo das refeições
  • Os boiões só deverão ser oferecidos em situações de último recurso

 

“Dicionário” dos alimentos do bebé 

Sopa

  1. Deverá ser simples, em puré, confecionada com quatro legumes escolhidos entre batata, couve-flor, curgete, cebola, alho francês, cenoura ou abóbora, alface, brócolos ou couve-coração
  2. As leguminosas secas (feijão, ervilha, grão, lentilha, fava) podem ser introduzidas a partir dos 9/10 meses, sem casca e em pequena quantidade
  3. Deve-se atrasar a introdução dos espinafres, nabiça, nabo, aipo e beterraba pelo risco de contaminação com nitratos
  4. Adicionar uma colher de chá de azeite, em cru, a cada dose de sopa

 

Papa

Existem 2 tipos de papa: a papa não láctea, que é preparada com o leite habitual do bebé, e a papa láctea, que é preparada com água, pois já contém leite. Até aos seis meses, a papa não deve conter glúten. O bebé não deve comer mais de uma papa por dia.

 

Carne

A partir dos seis meses, deve-se introduzir carne. Inicie com carne branca e depois vermelha: galinha, peru, coelho, avestruz e depois borrego e vaca. Adicione a carne apenas na fase final de cozedura dos legumes.

 

Peixe

Introduza o peixe na dose 15-20 g/dia, alternando com carne, a partir dos sete meses. Utilize peixe magro, fresco ou congelado: pescada, linguado, besugo, entre outros. O salmão só deverá ser introduzido após os dez meses.

 

Fruta

A fruta deve ser fresca, madura e, preferencialmente, crua e ralada. Deverá ser oferecida como sobremesa, ou seja, após a refeição de sopa. Pode começar com maçã, pera ou banana. Mais tarde, poderá ser adicionada ao iogurte. Nunca se usa fruta em substituição de uma refeição.

 

Iogurte

A partir dos seis meses pode oferecer iogurte natural de leite adaptado.

 

Ovo

Habitualmente, a partir dos nove meses deve introduzir a gema do ovo cozida. Na refeição em que oferece gema não deve oferecer carne ou peixe. Comece por metade da gema e só depois a gema inteira, que poderá dar até duas vezes por semana.

Depois dos 12 meses pode dar ovo inteiro.

 

Na dieta vegetariana

Os lactentes e crianças com dieta vegetariana restritiva têm um elevado risco de carência nutricional com consequências nefastas para esta fase importante do seu crescimento e desenvolvimento psicomotor.

É fundamental a inclusão do ovo na sua alimentação e haver o cuidado de consumir vegetais de diferentes categorias a fim de evitar défices de ferro e vitaminas e assegurar um aporte energético e proteico adequado.

 

Recomendações extra

  1. É sempre bom lembrar que as crianças têm oscilações de apetite, pelo que não deverá ser motivo de preocupação a criança não querer comer um dia ou outro
  2. Nunca se deve deixar a criança sozinha enquanto estiver a comer, nem que seja uma bolacha ou um pedaço de pão.
  3. Os pais e restantes membros da família não devem habituar a criança a petiscar ou andar sempre com comida na mão.

 

Sabia que...

Uma alimentação correta pode prevenir doenças na idade adulta, por isso, é crucial a educação alimentar desde as fases mais precoces da vida.