O que é?

Metodologia

Vantagens e benefícios

Indicações

Efeitos secundários

O ecocardiograma utiliza ondas de som para produzir imagens do coração, permitindo ao médico ver como o coração se contrai e como bombeia o sangue.

 

As imagens obtidas permitem identificar diversas anomalias do coração e das suas válvulas.

 

Dependendo da informação que é necessário obter, o ecocardiograma poderá ser realizado de diversas formas.

O ecocardiograma pode ser realizado por via transtorácica, em que a sonda que capta as imagens é colocada diretamente sobre o tórax do paciente, ou por via transesofágica, em que a sonda é inserida no esófago.

 

Esta técnica é utilizada quando as imagens obtidas através do tórax não são elucidativas.

 

Ecocardiograma Transtorácico

No ecocardiograma transtorácico, coloca-se um gel sobre o tórax do paciente e a sonda é aplicada de um modo firme sobre a pele. Essa sonda emite ultrassons em direção ao coração e um tradutor regista os ecos produzidos pelo coração. Esses ecos serão depois convertidos em imagens através de um computador.

 

Ecocardiograma Transesofágico

Não é necessária uma preparação especial para um ecocardiograma convencional. No caso do ecocardiograma transesofágico, o paciente não deve comer algumas horas antes. Como este exame é realizado sob sedação, o paciente não deverá conduzir nas horas seguintes, pelo que deve ir acompanhado.

 

Ecocardiograma de Sobrecarga

É ainda possível realizar um ecocardiograma de sobrecarga, idêntico ao eletrocardiograma de esforço, no qual o paciente caminha numa passadeira para se poder avaliar o comportamento do coração e das válvulas durante o esforço físico e, em alguns casos, pode-se recorrer a substâncias de contraste para a obtenção de informações adicionais.

Os exames em sobrecarga são úteis porque algumas doenças cardíacas, como a angina de peito, apenas se manifestam sob esforço.

 

O médico escolherá qual o exame mais indicado em cada caso.

A realização do ecocardiograma dura, em média, menos de uma hora.

Através deste exame, é possível visualizar as válvulas cardíacas, as cavidades do coração e observar o modo como ele se contrai. É, por isso, um exame muito dinâmico.

 

Algumas das informações que ele fornece são as dimensões do coração, a força da sua contração, a presença de lesões no músculo cardíaco, de lesões nas válvulas ou de defeitos cardíacos.

 

Estas informações permitem diagnosticar muitas doenças cardíacas e selecionar o tratamento mais adequado.

O ecocardiograma é indicado sempre que se suspeita da presença de lesões das válvulas cardíacas, das paredes do coração ou de alterações na sua capacidade de bombear o sangue de forma adequada. Está igualmente indicado para o diagnóstico de cardiopatias congénitas mesmo antes do nascimento do bebé.

 

As principais indicações são:

  • Definição das dimensões das cavidades cardíacas e da espessura de suas paredes
  • Avaliação das válvulas mitral, tricúspide, aórtica e pulmonar
  • Avaliação da função sistólica e diastólica dos ventrículos e da sua contratilidade
  • Análise da anatomia do pericárdio
  • Estudo das cardiopatias congénitas
  • Avaliação da aorta, artéria pulmonar e veias cavas
  • Pesquisa da presença de trombos intracardíacos
  • Avaliação da presença de doença cardíaca em doentes de risco, como os portadores de hipertensão arterial ou de sintomas cardíacos (falta de ar, dores no peito, angina, palpitações)
  • Avaliação de atletas de competição, de modo a excluir algumas causas de morte súbita em atletas

Trata-se de um exame relativamente simples.

 

No caso do ecocardiograma transtorácico, pode-se sentir algum desconforto quando os elétrodos são retirados do peito.

 

No caso do ecocardiograma transesofágico, a garganta pode ficar sensível durante algumas horas após o exame.

 

Se o exame for realizado em esforço, poderão ocorrer alterações do ritmo cardíaco, sendo muito raras complicações mais graves como um enfarte do miocárdio. 

Fontes

Mayo Foundation for Medical Education and Research, Outubro de 2012

U.S. National Library of Medicine, Maio de 2011

Cleveland Clinic, Agosto de 2011

Doenças relacionadas