Vacina pneumocócica: tudo o que precisa de saber

+65
Doenças crónicas
Prevenção e bem-estar
4 mins leitura

A vacina pneumocócica faz parte do Programa Nacional de Vacinação e é importante para a prevenção de doenças graves, como a pneumonia e a meningite.

A vacina contra o pneumococo - também conhecida por vacina da pneumonia - protege-nos contra infeções pneumocócicas graves e potencialmente fatais. Estas infeções são causadas pela bactéria Streptococcus pneumoniae e, dependendo do órgão ou parte do corpo afetada, podem causar vários tipos de problemas de saúde graves, tais como:

  • Meningite bacteriana
  • Pneumonia
  • Otite média
  • Bacteremia
  • Sinusite

 

É possível que as pessoas transportem esta bactéria na sua garganta sem manifestar qualquer sintoma de doença. Ainda assim, podem transmiti-la a outros indivíduos, normalmente sob a forma de gotículas que expelem através do nariz ou boca quando respiram, tossem ou espirram. É por isso importante recorrer à vacinação como forma de prevenir e evitar o contágio da doença, especialmente perigosa para pessoas com determinados problemas de saúde, bebés e adultos mais velhos.

 

Sabia que…

Os portadores mais frequentes da bactéria pneumocócica são as crianças pequenas.

 

Quem deve tomar a vacina contra o pneumococo?

Qualquer pessoa pode ser afetada por uma infeção pneumocócica. Contudo, há grupos que correm maior risco de ter uma doença grave, sendo recomendada a toma desta vacina. Entre estes incluem-se:

  • Bebés
  • Adultos com 65 ou mais anos
  • Crianças e adultos com doenças crónicas, como patologias mais graves a nível cardíaco ou renal

 

Como é feita a administração

A vacina disponível em Portugal e administrada no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV) é a conjugada, em apresentação trezevalente constituída pelos serotipos 1, 3, 4, 5, 6A, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19A, 19F, 23F, (Pn13).

Segundo o PNV, a vacina pneumocócica é administrada em três doses: a primeira aos dois meses de vida, a segunda dose aos quatro meses e a terceira dose aos 12 meses de idade.

Adultos com doenças crónicas e considerados de alto risco - por exemplo, portadores do vírus da imunodeficiência humana (VIH), de algumas doenças pulmonares obstrutivas e com cancro do pulmão - também recebem a vacina de forma gratuita.

Para crianças e adultos não abrangidos por estas condições, a aquisição da vacina nas farmácias é comparticipada em 37%.


 

Como é que a vacina funciona

A vacina contra o pneumococo favorece a produção de anticorpos contra a bactéria pneumocócica. Os anticorpos são proteínas produzidas pelo nosso corpo que neutralizam ou destroem organismos ou toxinas responsáveis pelo desenvolvimento de doenças. Estes protegem-nos de doenças no caso de sermos infetados por bactérias.

Até agora foram identificadas mais de 90 estirpes da bactéria pneumocócica, embora muitas delas não causem infeções graves.

 

Em que casos não deve tomar a vacina pneumocócica

Há determinadas circunstâncias em que a toma da vacina contra o pneumococo não é recomendável, seja em crianças ou em adultos, tais como:

 

1. Reação alérgica

Se já manifestou anteriormente alergia a alguma vacina que tenha tomado, informe o seu médico assistente. Caso já tenha ocorrido uma reação alérgica severa (choque anafilático) à vacina pneumocócica ou a algum ingrediente presente na composição da vacina, a sua administração poderá estar contraindicada.

Se, por outro lado, tiver ocorrido apenas uma reação alérgica mais ligeira, como uma erupção cutânea, a toma da vacina é habitualmente segura.

 

2. Febre no momento da vacinação

Se se encontra ligeiramente indisposto na consulta em que a vacina será administrada, a vacinação é segura. Se se encontra doente com maior gravidade (por exemplo, com temperatura corporal elevada e/ou com tremores), o melhor é adiar a toma da vacinação até que se sinta melhor.

 

3. Gravidez e amamentação

A vacina pneumocócica é segura durante estas fases da vida da mulher. Contudo, como medida de precaução, a mulher poderá aguardar até ao pós-parto, a não ser que os benefícios de levar a vacina sejam superiores aos riscos que possa representar para a criança.

 

Efeitos secundários da vacina pneumocócica

Todas as vacinas podem provocar efeitos secundários ligeiros e a vacina pneumocócica não é exceção. Alguns desses efeitos adversos passam por:

  • Febre ligeira
  • Vermelhidão na zona da injeção
  • Inchaço e rigidez na zona da injeção

 

Não existe registo de efeitos secundários graves, além do risco extremamente raro de reação alérgica severa.