Reconheça os sinais de alarme da apendicite
Dor
3 mins leitura

O sintoma mais conhecido são as dores fortes na zona mais baixa do abdómen, mas há outros. Saiba como identificar os sinais de alarme da apendicite.

A apendicite é uma inflamação do apêndice, uma pequena bolsa localizada na primeira porção do intestino grosso. Esta inflamação é provocada pela obstrução do apêndice e pode dever-se a uma infeção, doença inflamatória intestinal, parasitas, tuberculose, entre outros fatores. De acordo com a Mayo Clinic, a apendicite surge com mais frequência entre os dez e os 30 anos. Aprenda a identificar os seus sinais de alarme e saiba em que consiste o diagnóstico e tratamento deste problema.

 

A apendicite é uma emergência médica?

Sim, pois requer a realização de uma cirurgia para remover o apêndice (apendicectomia). No caso de não procurar ajuda médica imediata, a inflamação do apêndice poderá conduzir a complicações graves como perfuração ou infeção generalizada (septicemia).

 

Sinais de alarme da apendicite

Os mais comuns podem incluir:

  • Dor súbita que começa em torno do umbigo e, muitas vezes, desloca-se para o lado direito da zona inferior do abdómen
  • Náuseas e vómitos
  • Dor que piora ao tossirmos ou caminharmos
  • Perda de apetite
  • Febre baixa que pode ir subindo à medida que a doença progride
  • Obstipação ou diarreia
  • Distensão abdominal
  • Se estiver grávida, a dor associada à apendicite pode parecer proveniente da parte superior do abdómen, pois o apêndice fica mais elevado durante a gravidez

 

Como é diagnosticada a apendicite?

Existem doenças que podem apresentar sintomas semelhantes aos da apendicite, como cólica renal, infeção urinária, gastrite ou doença ginecológica, pelo que o diagnóstico não se baseia apenas num sinal ou sintoma. De acordo com a Mayo Clinic, estas são algumas questões que o médico lhe poderá fazer:

  • Quando é que a dor abdominal teve início?
  • Onde é que lhe dói?
  • A dor mudou de localização?
  • A dor é muito forte?
  • Em que alturas é que a dor se torna mais forte?
  • O que ajuda a aliviar a dor?
  • Tem febre?
  • Tem náuseas ou sente-se enjoado?
  • Que outros sinais e sintomas é que tem?

 

Um diagnóstico preciso exige um exame médico, análises ao sangue e à urina, uma ecografia ou uma tomografia computorizada. Como os resultados dos exames podem ser demorados, o diagnóstico pode implicar efetuar uma cirurgia exploratória caso exista uma forte suspeita de apendicite e haja o risco de perfuração.

 

Como é tratada a apendicite?

Tal como foi anteriormente referido, o tratamento da apendicite é realizado através de uma cirurgia na qual o apêndice é removido - apendicectomia. No entanto, quando a infeção já gerou um abcesso, pode ser necessária a administração de antibióticos por via intravenosa e a cirurgia só é realizada posteriormente.

Hoje em dia, a maior parte das apendicectomias podem ser efetuadas por via laparoscópica (são feitas pequenas incisões no abdómen, nas quais se introduz o laparoscópio, uma pequena câmara, e os instrumentos necessários à cirurgia), mas também podem ser realizadas segundo a abordagem tradicional. A cirurgia por via laparoscópica tem como vantagens menos dores no período pós-operatório, menor tempo de internamento, menos complicações pós-operatórias, recuperação e regresso à rotina mais rápidos e cicatrizes mínimas.

 

Sabia que...

Alguns estudos sugerem que o risco de apendicite é mais baixo em países cuja dieta seja rica em fibras - estas estão presentes nos cereais, massas, arroz, pão e fruta.