COVID-19: quando o tratamento é feito em casa

COVID-19
6 mins leitura

Como a maioria dos casos manifesta apenas sintomas leves, não terão necessidade de internamento, podendo decorrer o tratamento da COVID-19 em casa. Saiba como.

A maioria dos infetados não tem necessidade de internamento, podendo o tratamento do coronavírus decorrer em casa. Mas a recuperação em casa exige cuidados por parte do infetado e de quem o rodeia. O auto-isolamento é muito importante para limitar a transmissão do vírus. Mesmo que ainda não tenha um diagnóstico confirmado, se manifesta sintomas de COVID-19 - como febre alta e tosse persistente -, deverá submeter-se a auto-isolamento. Este auto-isolamento torna-se obrigatório por lei quando o diagnóstico está confirmado. O período de auto-isolamento rege-se por uma regra-base: não sair de casa nem ter contacto social. 

 

Se tem sintomas 

Se manifesta sintomas ou até já tem um diagnóstico confirmado, as pessoas com quem coabita devem idealmente ficar noutro alojamento. Esta medida é especialmente importante se se tratarem de pessoas mais velhas, com doenças crónicas ou vulneráveis. Se essa não for uma solução viável:

  • Deve permanecer separado das outras pessoas, numa divisão bem ventilada e confortável, com janela para o exterior e com a porta fechada
  • Só deve sair do quarto em situação de extrema necessidade e colocando uma máscara descartável
  • Deve evitar utilizar espaços comuns com outras pessoas presentes, incluindo nos períodos de refeições
  • Não deve partilhar a cama com outra pessoa – se possível, durma sozinho
  • Deve manter distância das outras pessoas presentes – por exemplo, limitar o tempo em que está com pessoas na mesma divisão, manter uma distância de pelo menos dois metros ou três passos de adulto quando estiverem outras pessoas presentes na mesma divisão (sempre que possível)
  • Deve utilizar uma casa de banho diferente dos restantes membros, assim como toalhas e outros utensílios de higiene. Se tal não for possível, desenvolvam uma rotina de casa de banho em que a pessoa em isolamento/quarentena seja a última pessoa a utilizá-la. Após essa utilização, a casa de banho deve ser minuciosamente limpa

 

Para reduzir o contágio em casa

Durante o isolamento, para proteger as pessoas que vivem consigo, deverá:

  • Caso precise de um cuidador, escolher apenas uma pessoa, que não deve ser portadora de doença crónica ou imunossupressão
  • Tapar a boca e nariz com um lenço descartável ou o cotovelo sempre que espirrar ou tossir. Não usar a mão. Deitar o lenço usado fora e lavar as mãos
  • Lavar frequentemente as mãos com sabão e água durante pelo menos 20 segundos
  • Usar um desinfetante com álcool, se não puder lavar as mãos
  • Limpar objetos e superfícies em que toca com frequência, como maçanetas e telemóveis
  • Evitar tocar com as mãos nos olhos, nariz e boca
  • Não partilhar objetos - como telemóveis ou teclados - e, se o fizer, desinfeta-los de seguida
  • Não partilhar alimentos nem utensílios de cozinha (pratos, talheres, copos)

 

Quando limpar a casa e a roupa

Para as limpezas da casa, recorra aos produtos e lixívia habituais.

Coloque os lenços e toalhas descartáveis usados num saco de plástico, depois dentro de um segundo saco e ate-o. Deixe passar três dias antes de o colocar no caixote do lixo. Quanto ao resto do lixo, poderá deitá-lo fora como habitualmente faz.

Se está a aguardar o resultado do seu teste para COVID-19, deve guardar toda a roupa, lençóis e toalhas que utilizar num saco de plástico identificado até saber qual o resultado. Quanto à lavagem da roupa, deverá ser feita na máquina , acima de 60º, e com detergente. Deverá também, se possível, utilizar a máquina de secar roupa e o ferro de engomar nas temperaturas mais altas permitidas para as peças de roupa em questão. Evite sacudir a roupa - especialmente a da cama - e enrole-a. Abaná-la muito poderá contribuir para que o vírus se espalhe.

 

Sobre o tratamento do coronavírus em casa

Não foi ainda desenvolvida uma vacina contra o Coronavírus, que causa a COVID-19 - o vírus foi identificado apenas recentemente e estão em curso investigações para o seu desenvolvimento.
O tratamento da infeção pelo novo coronavírus é sintomático, isto é, é dirigidos aos sinais e sintomas que os doentes apresentam.
O medicamento mais recomendado para o alívio dos sintomas é o paracetamol.
Os antibióticos não têm resultados no tratamento desta infeção, pois são dirigidos a bactérias.

 

Devemos (ou podemos) tomar ibuprofeno no tratamento do coronavírus em casa?

Até à data, não existem evidências sólidas de que a toma de ibuprofeno possa piorar o estado de saúde de quem está infetado com o novo coronavírus.
No entanto, e até haver mais dados acerca da relação do fármaco com esta infeção, é mais indicado optar pela toma de paracetamol (salvo indicações contrárias pelo seu médico assistente).
Se já está a tomar ibuprofeno ou outro medicamento anti-inflamatório não esteroide por prescrição médica, não interrompa a sua toma sem antes consultar o seu médico.

 

Outras estratégias para se sentir melhor

Para fazer a manutenção do seu bem-estar enquanto estiver em casa, adote as seguintes estratégias:

  • Beba bastante água para se manter hidratado;
  • Mantenha-se em contacto com a sua família e amigos através do telemóvel ou das redes sociais. Este gesto é muito importante para prevenir a solidão;
  • Tente manter-se ocupado: leia, tire cursos online, veja filmes;
  • Faça exercício físico leve/ligeiro, mas apenas se sentir em condições para fazê-lo.

 

Monitorize os seus sintomas

Faça a medição da temperatura corporal duas vezes por dia, mesmo que não apresente sintomas.

Se sentir alguma alteração ou agravamento dos seus sintomas - por exemplo, dificuldade em respirar - ligue para a linha SNS24 (808 24 24 24) ou, se a gravidade assim o justificar, para o 112 (informe sempre o operador da chamada da sua situação de quarentena ou doença).

Tenha especial atenção a sintomas como:

  • Reaparecimento, agravamento ou persistência de febre
  • Dificuldade respiratória ou falta de ar
  • Fadiga intensa e anormal
  • Outros sintomas que motivem a necessidade de falar com um profissional de saúde

 

Não se esqueça…

Para sua segurança e segurança dos outros fique em casa. Sempre que tiver dúvidas, ligue para a linha SNS24 (808 24 24 24).