Compreender a síndrome de défice de atenção e hiperatividade

Bebés e crianças
3 mins leitura

A síndrome de défice de atenção e hiperatividade afeta a capacidade da criança estar atenta, prejudicando-a a nível escolar e comportamental.

A síndrome de défice de atenção e hiperatividade é uma perturbação do desenvolvimento caracterizada por um grau de desatenção inapropriado para a idade da criança, à qual se pode associar, ou não, hiperatividade e impulsividade.

Ocorre em diferentes contextos sociais, perturbando o desempenho da criança a nível pessoal e académico, sendo as principais consequências dificuldades de aprendizagem e problemas comportamentais. Antes de julgar - e para conseguir ajudar estas crianças - é necessário compreender a situação.

 

Causas e tipos de Síndrome de Défice de Atenção e Hiperatividade

A causa é multifatorial, envolvendo fatores orgânicos (de origem neurobiológica), genéticos e ambientais. 

Consoante os sintomas que predominam, consideram-se três tipos: desatento, hiperativo/impulsivo e misto.

  • As crianças desatentas apresentam dificuldade em manter a concentração em determinadas tarefas, não prestam atenção aos detalhes, parecem não entender as ordens ou instruções dadas, perdem objetos e distraem-se facilmente com estímulos sem importância.
  • Os meninos hiperativos parecem movidos por uma fonte de energia inesgotável, mexendo constantemente as mãos e pés e não conseguem participar em jogos ou atividades de uma forma calma. É frequente o aumento do risco de acidentes.
  • A impulsividade reflete-se na dificuldade da criança em esperar pela sua vez e seguir regras. Respondem a perguntas que não foram completadas e intrometem-se nas atividades dos outros, interrompendo conversas e jogos. Tomam atitudes repentinas, inesperadas ou desajustadas à situação, são teimosas, com baixa tolerância à frustração e com instabilidade do humor, sendo difícil aos adultos que lidam com elas controlar os seus acessos de raiva.

 

Importância do diagnóstico precoce

É muito importante que seja feito o diagnóstico adequado e o mais precocemente possível. Para validar a suspeita clínica e posteriormente avaliar a eficácia da terapêutica, pode-se recorrer ao uso de questionários, que são preenchidos pelos pais e professores e que permitem obter o perfil da criança.

 

Tratamento multidisciplinar

O tratamento é realizado por uma equipa multidisciplinar, onde os pais e os professores são elementos fundamentais. É importante definir objetivos reais e estabelecer prioridades. Pretende-se melhorar as relações sociais e as competências académicas.

 

Em que consiste a terapêutica

A terapêutica assenta em dois pilares: farmacológica (metilfenidato) e psicoterapia. Em termos isolados e a curto prazo, a mais eficaz é a farmacológica, mas a longo prazo a combinação das duas é a indicada. Os complementos orais com ómega-3 podem ser usados principalmente em crianças pequenas e em casos muito ligeiros de défice de atenção.