Paralisia de Bell

(ou paralisia facial periférica)
O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

A Paralisia de Bell (paralisia do nervo facial ou paralisia facial periférica) consiste na incapacidade temporária de mover de um dos lados da face. O lado do nervo afetado “descai” dando origem a um sorriso unilateral, assimétrico e com dificuldade em encerrar o olho.

Este tipo de paralisia ocorre quando o nervo que controla os músculos faciais fica inflamado e inchado. Podem também verificar-se alterações da produção de lágrimas, saliva, paladar e da audição.

Na maior parte dos casos, a Paralisia de Bell é temporária, limitada no tempo, e melhora significativamente ao fim de algumas semanas; num pequeno número de pessoas os sintomas podem ser persistentes. Em casos raros, a Paralisia de Bell pode afetar os nervos de ambos os lados da face.

Os sintomas de Paralisia de Bell surgem de forma súbita no lado afetado e incluem:

  • Fraqueza ou paralisia ligeira ou total da face que se desenvolve ao longo de horas ou dias
  • Pálpebra ou canto da boca descaído
  • Dificuldade em fazer algumas expressões faciais, como fechar o olho ou sorrir
  • Dificuldade em conter a saliva
  • Alterações na produção da saliva
  • Perda de paladar
  • Irritação ocular, como secura ou produção excessiva de lágrima
  • Dor no maxilar ou por trás da orelha
  • Dor de cabeça
  • Sensibilidade ao ruído

 

A ocorrência destes sintomas é motivo para consultar o médico com urgência. O tratamento para a Paralisia de Bell é mais eficaz quando iniciado precocemente, nomeadamente, até 72 horas após o início dos sintomas.

Ligue imediatamente para um serviço médico de urgência se verificar:

  • Face assimétrica, caída de um dos lados (boca ou olho)
  • Dificuldade em falar, discurso arrastado.

 

A Paralisia de Bell não é causada por Acidente Vascular Cerebral (AVC) mas pode ter manifestações semelhantes que é urgente distinguir.

Embora não seja conhecida a causa exata da Paralisia de Bell, que pode surgir em qualquer idade, a sua ocorrência está geralmente associada a uma infeção viral - como gripe, herpes zoster, etc.

A Paralisia de Bell ocorre mais frequentemente em:

  • Grávidas, especialmente durante o 3º trimestre ou na primeira semana após o parto
  • Durante infeções respiratórias como gripes ou constipações
  • Pessoas com diabetes

 

Regra geral, só se tem Paralisia de Bell uma vez, contudo, pode acontecer a sua recorrência, sobretudo se existir história familiar da doença.

O diagnóstico de Paralisia de Bell baseia-se na história clínica e na observação do doente.

Existem outros problemas de saúde - como AVC, infeções, doença de Lyme e tumores - que podem causar fraqueza dos músculos faciais semelhante à Paralisia de Bell.

Se a causa dos sintomas não for clara, poderão ser necessário alguns exames, como eletromiografia, ressonância magnética ou tomografia.

O tratamento da Paralisia de Bell pode incluir a toma de medicação, como corticoides ou antivirais, e fisioterapia para facilitar a recuperação muscular da face. Em casos raros e persistentes, a cirurgia poderá ser indicada.

Os cuidados gerais incluem a proteção ocular (no olho que não consegue fechar), uso de gotas lubrificantes, de óculos durante o dia e um “tapa-olho” durante a noite. Podem ser usados analgésicos caso surja dor.

Por ser provavelmente causada por uma infeção, não é possível prevenir a Paralisia de Bell.

Fontes:

Mayo Clinic, junho de 2020

National Health Service, junho de 2020

Doenças relacionadas