Sabia que se deve preocupar com a saúde oral do bebé?

Bebés e crianças
Saúde oral
4 mins leitura

O acompanhamento da saúde oral desde bebé até à idade adulta pode ajudar na prevenção de doenças orais e / ou alterações dentárias.

A primeira consulta do bebé com o Médico Dentista (que pode ter o aparecimento do primeiro dente como referência) é importante pois permite estabelecer uma relação entre médico, bebé e a sua família, facultando aos pais / cuidadores o aconselhamento sobre práticas preventivas e hábitos de saúde oral desde tenra idade.

 

A importância do acompanhamento da saúde oral desde bebé

Durante os três primeiros anos de vida de um bebé, a família / cuidadores representam a sua fonte principal de aprendizagem. Este período é determinante para a expressão máxima do potencial de crescimento, do desenvolvimento cognitivo e da modelação individual do risco de doenças.

 

O acompanhamento desde o primeiro ano permite estabelecer comportamentos saudáveis rotineiros de modo a que estes se repitam e mantenham até à idade adulta, proporcionando também a prevenção de aparecimento de doenças na cavidade oral em qualquer faixa etária. Estas doenças, quando presentes, podem comprometer o  crescimento da criança por impedimento da correta capacidade de alimentação, supressão de sono e absentismo escolar por existência de dor de origem dentária.

 

Portanto, trabalhar com a saúde oral dos bebés em medicina dentária é um trabalho acima de tudo preventivo, que se inicia antes da existência de uma doença ou alteração ao nível da cavidade oral. É essencial conhecer e acompanhar a família da criança, promovendo o contacto próximo. O Médico Dentista orienta e estabelece medidas preventivas segundo a idade, características de desenvolvimento e risco do paciente. Na prática não é mais do que ajudar o bebé e a sua família a crescer e a tornar-se autónomo da forma mais saudável possível, através de consultas de rotina e contínua prevenção de doenças orais na criança.

 

O que acontece na Consulta de Medicina Dentária?

No acompanhamento do seu bebé com o Médico Dentista Pediátrico encontra:

  • Promoção e acompanhamento do aleitamento materno: a amamentação proporciona a ação de um conjunto de músculos específicos que, ao serem mobilizados, leva ao correto estímulo funcional e crescimento das estruturas craniofaciais, diminuindo a prevalência de má oclusão no bebé e consequentemente na criança. Estimula corretamente o crescimento mandibular.
  • Aconselhamento e informação sobre uso de tetinas e biberão: quando necessário o recurso a chupeta, tetinas ou biberão, é importante orientar quanto à forma e frequência, com o objetivo de ajudar a prevenir a má oclusão.
  • Determinar o risco de cárie de primeira infância: permite determinar fatores de risco e protetores no bebé e família que possam levar ao aparecimento de cárie. Mediante o risco, permite estabelecer um protocolo preventivo ao aparecimento da cárie dentária.
  • Acompanhamento e informação sobre erupção dentária: alívio e ensino de estratégias para sintomas, determinar se os objetivos de crescimento facial estão alcançados e monitorizar o correto crescimento facial. 
  • Conselhos dietéticos: uma dieta com texturas mais duras promove um melhor crescimento dos músculos e ossos orofaciais, permitindo um maior espaço para o posicionamento dos dentes e potencialmente reduzir a necessidade de tratamento ortodôntico. De forma indireta, este fator também vai influenciar numa melhor eficiência mastigatória.
  • Diminuição ou completa remoção de hábitos de sucção não nutritivos
  • Método e frequência da técnica de Higiene oral
  • Prevenção de traumatismos dentários
  • Aplicação de selantes: ponderada no caso de pacientes com alto risco de cárie e presença de características anatómicas que o justifiquem.
  • Detetar a existência de defeitos de desenvolvimento de esmalte ou lesões precoces que dão origem a cáries: permite implementar medidas para a sua resolução segundo a dentisteria minimamente invasiva prevenindo, o aparecimento de complicações associadas.
Publicado a 23/02/2021
Doenças