Mudanças psicológicas e sociais na adolescência

Cérebro e saúde mental
3 mins leitura

Ao longo do período de transição entre a infância e a idade adulta, os adolescentes passam por uma série de alterações psicossociais.

Vai notar mudanças significativas na forma como o jovem pensa, como vive as emoções e como se relaciona com os pais, amigos e grupo de pares. Cada adolescente tem as suas próprias características e vive a sua adolescência de forma única, mas há uma série de processos que se verificam de forma mais ou menos constante. As três fases em que é habitualmente dividida a adolescência ajudam a entender e a saber o que esperar do ponto de vista psicossocial. Também facilita o entendimento do que se passa com os adolescentes se decompusermos o desenvolvimento psicossocial do adolescente em três parâmetros:

 

Desenvolvimento do pensamento abstrato

Diz respeito à capacidade de levar a cabo raciocínios complexos e não concretos. De uma forma simplificada, é a capacidade de pensar sobre coisas que ainda não conhecem ou que não são concretas (como o amor, o futuro e as regras morais) e de estabelecer hipóteses sobre factos imaginários, o que lhes permite avaliar e escolher alternativas. A velocidade a que esta capacidade se desenvolve é muito variável, havendo jovens de 12–13 anos já com raciocínio abstrato bastante desenvolvido, enquanto outros apenas o vão atingir perto da idade adulta.

 

Autonomia

Esta desenvolve-se progressivamente ao longo deste período, desde uma fase pré-adolescente em que o jovem acompanha os pais nas suas ações e interesses, dependendo deles para grande parte das atividades diárias, até à idade adulta, quando o jovem deixa de acompanhar os pais e estabelece os seus próprios interesses, ideias, hábitos e valores. Este processo é complexo e tortuoso, passando por vários avanços e recuos, aproximações e afastamentos dos pais, períodos mais e menos conflituosos. Por vezes, a forma como o adolescente tenta conquistar a sua autonomia é algo atabalhoada e brusca. É importante que os pais se lembrem que este processo está cheio de ansiedade, medos e dúvidas, sendo compreensível que os seus filhos adolescentes nem sempre consigam manter a serenidade no que respeita à conquista da sua autonomia.

 

Construção da identidade

É também uma tarefa fundamental deste período. Os jovens vão construindo a sua identidade do ponto de vista moral e ético, social, sexual, vocacional, profissional... É, igualmente, um processo difícil e causador de ansiedade e dúvidas variadas. Vemos muitas vezes comportamentos exploratórios e experimentações que refletem a forma incerta e sinuosa como a identidade se constrói, muitas vezes por caminhos desconhecidos e por tentativa e erro. É importante que os pais saibam dar o espaço necessário para esta descoberta, mas mantendo balizas bem definidas que evitem os comportamentos de risco.