Cancro da mama no homem: o que deve saber

Cancro
Saúde do homem
5 mins leitura

Embora represente uma percentagem muito baixa de doentes, o cancro da mama no homem é uma realidade. A informação é fundamental para a deteção precoce.

O cancro da mama é um tumor maligno que se inicia nas células da glândula mamária e é o mais frequente nas mulheres. No entanto, o cancro da mama também pode atingir o sexo masculino - de acordo com a Liga Portuguesa contra o Cancro, em Portugal, cerca de 1% dos casos de cancro da mama são nos homens.

Tal como acontece em relação ao sexo feminino, o diagnóstico precoce é essencial, pois aumenta a probabilidade do tratamento ser mais eficaz e, como tal, de o prognóstico da doença ser melhor.

 

Causas e fatores de risco

Segundo a American Cancer Society, as causas para o desenvolvimento do cancro da mama nos homens ainda não são totalmente conhecidas. Porém, as investigações científicas têm permitido descobrir vários fatores que podem, nos homens, aumentar o risco de vir a ter cancro da mama. Eis os principais:

 

Envelhecimento

Trata-se de um importante fator de risco para o desenvolvimento de cancro da mama nos homens, já que o risco aumenta à medida que o homem envelhece.

 

História familiar de cancro da mama 

Aproximadamente um em cada cinco homens com cancro da mama tem um familiar próximo do sexo masculino ou feminino com cancro da mama, refere a American Cancer Society.

 

Mutações genéticas hereditárias 

Homens com mutação no gene BRCA2 ou no gene BRCA1, entre outros, têm um risco aumentado de cancro da mama.

 

Síndrome de Klinefelter 

Doença congénita em que os homens apresentam um cromossoma X a mais. Essa alteração genética provoca problemas como testículos que não tenham descido para a bolsa escrotal ou ginecomastia (crescimento benigno da mama masculina).

 

Exposição à radiação 

Ter feito radiação torácica como tratamento de outro tipo de cancro aumenta o risco de desenvolver cancro da mama.

 

Bebidas alcoólicas 

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas é um fator de risco para o cancro da mama nos homens.

 

Doença hepática 

O fígado desempenha um papel importante no metabolismo de hormonas sexuais. Assim, segundo a American Cancer Society, homens com doença grave do fígado, como cirrose, têm níveis relativamente baixos de androgénio (hormona sexual masculina) e níveis elevados de estrogénio (hormona sexual feminina), o que pode levar ao crescimento benigno da mama e aumenta o risco de cancro da mama.

 

Obesidade 

A obesidade é um fator de risco para o cancro da mama nas mulheres e a American Cancer Society refere que pode ser igualmente um fator de risco para os homens.

 

Determinadas profissões 

Alguns estudos sugerem que pode haver um risco aumentado de cancro da mama para os homens que trabalham em ambientes quentes (como uma siderurgia, por exemplo). A exposição a temperaturas muito elevadas por longos períodos de tempo podem afetar os testículos, o que, por sua vez, poderá afetar os níveis hormonais. Homens com profissões que envolvam a exposição a vapores da gasolina parecem ter também maior risco de cancro da mama.

 

Outros 

Ter tido papeira na idade adulta, um testículo que não desceu para a bolsa escrotal (criptorquidia) ou a remoção de um ou dos dois testículos cirurgicamente (orquiectomia), entre outros, podem aumentar ligeiramente o risco de cancro da mama no homem.

 

Prevenção do cancro da mama no homem

Dado que as causas da maioria dos cancros da mama no homem não são conhecidas, não há uma forma de preveni-las. Porém, manter um peso adequado e restringir o consumo de bebidas alcoólicas ajudam a reduzir o risco. Se existir história de cancro da mama na família, aconselhe-se junto do seu médico assistente.

 

Sintomas de cancro da mama no homem

  • Nódulo(s) na mama
  • Alterações no tamanho, forma ou pele da mama
  • Alterações no aspeto do mamilo
  • Descarga mamilar
  • Úlceras mamárias
  • Erupção cutânea

 

Deteção precoce é a chave

Na presença de qualquer um destes sintomas, é essencial consultar o médico assistente. Tal como referido anteriormente, se existirem antecedentes familiares de cancro da mama, também deve aconselhar-se com o médico - mesmo não existindo sintomas.

As melhores estratégias para diminuir a mortalidade causada por esta doença são o diagnóstico precoce e o tratamento atempado. Como alerta a American Cancer Society, a deteção precoce do cancro da mama nos homens é difícil, pois estes tendem a ignorar "caroços"/nódulos que surjam no peito (ou sentem-se constrangidos em abordar esse tema) e, geralmente, só consultam o médico e são diagnosticados quando o cancro da mama já se encontra num estado avançado - o que também está relacionado com o facto de os homens terem menos tecido mamário, o que faz com que o cancro, apesar de normalmente ser de menor dimensão do que no caso das mulheres, se dissemine mais rapidamente para as áreas circundantes.

Doenças