Oncologia

Próximidade e excelência clínica

Na CUF Oncologia, as especialidades de Oncologia Médica e Hematologia Clínica desenvolvem toda a sua atividade com o apoio das especialidades de diagnóstico como a  Anatomia Patológica, Medicina Nuclear, Imagiologia, Patologia Clínica, das especialidades médico cirúrgicas e com a Radioterapia. Desta forma, é possível uma abordagem global e multidisciplinar ao doente oncológico.

As equipas de Oncologia atuam ainda em total articulação com as equipas de Cuidados Paliativos, geralmente constituídas por especialistas de oncologia médica, médicos internistas e médicos de Medicina Geral e Familiar. 

 

A especialidade médica Oncologia trata os tumores sólidos, como o cancro da mama, da próstata, colorretal, entre outros.

Já a Hematologia Clínica trata os tumores do sangue ou líquidos como os linfomas, leucemias ou mielomas. Há uma parte da atividade dos hematologistas que é dedicada a outras patologias não oncológicas como, por exemplo, a anemia.

Precisa de ajuda? Fale connosco

Contacte um dos nossos Gestores Oncológicos para o guiar e acompanhar desde o primeiro momento.

Se preferir pode agendar uma consulta através da nossa linha gratuita.

Conheça os nossos especialistas
Uma equipa experiente e dedicada

Médicos de Oncologia e de Hematologia, especializados nos diferentes tipos de cancro.

Tipos de tratamentos
Quimioterapia

É um tipo de tratamento que usa fármacos potentes para destuit as células do cancro ou para parar o seu crescimento ou para diminuir o tamanho do tumor. Também é conhecida como terapia sistémica porque estes fármacos circulam por todo o corpo.

Para as nossas equipas clínicas é muito importante manter a sua qualidade de vida, enquanto está em tratamento ativo, por isso, será monitorizado e sempre acompnhado enquanto está a realizar o seu tratamento.

 

Como pode a quimioterapia ajudar?
  • A sua equipa de cuidados vai explicar-lhe com mais detalhe porque é que a quimioterapia é importante no seu caso. Por exemplo, nos tipos de cancro do sangue como a leucemia ou os linfomas, a quimioterapia pode ser a única opção de tratamento. Existem outras razões para a sua equipa clínica lhe propôr quimioterapia:
  • Destruir quaisquer microcélulas de cancro que possam ter permanecido no seu corpo após cirurgia ou radioterapia (chama-se tratamento adjuvante)
  • Diminuir o tamanho do tumor antes da cirurgia ou da radioterapia (chama-se tratamento neoadjuvante)
  • Tratar o cancro que voltou (recidiva) ou que se espalhou para outras partes do corpo (metastizar)
  • Complementar e aumentar o efeito da radioterapia
  • Diminuir ou aliviar os sintomas do seu cancro ao diminuir o seu tamanho, pois pode estar a pressionar ou comprimir alguma parte do seu corpo

 

Formas de administrar a quimioterapia
  • Quimioterapia oral 
  • Quimioterapia intravenosa, dada através de um tubo fino que liga à sua veia por meio de um catéter
  • Quimioterapia intra-vesical, em que o fármaco é diretamente injetado na artéria hepática
  • Quimioterapia intratecal, consiste na infusão de medicamentos no canal espinhal, onde é realizada pelo médico através de punção lombar
  • Quimioterapia intraperitonial, através de injeção na cavidade abdominal

 

Efeitos secundários

Os efeitos são diferentes para cada pessoa e se para algumas podem desaparecer gradualmente com o fim dos tratamentos, para outras podem demorar mais tempo a desvanecer ou mesmo a desaparecer.

 
Os efeitos mais frequentes e mais relatados são:
  • anemia
  • alterações no apetite
  • diarreia
  • febre
  • perda de cabelo
  • infeção
  • infertilidade
  • diminuição de glóbulos vermelhos
  • aftas
  • alterações no paladar
  • náuseas e vómitos
  • incontinência urinária ou outras alterações urinárias

 

Outros efeitos também podem ser:

  • obstipação (prisão de ventre)
  • fadiga
  • retenção de líquidos
  • problemas de memória ou articulação de pensamento
  • neuropatia (dormência nos dedos e calcanhares)
  • problemas com a saúde sexual
  • problemas cardíacos

 

É importante que comunique abertamente com a sua equipa clínica, nomeadamente com o seu enfermeiro de referência para ajudar a minimizar os efeitos secundários do seu tratamento.

Felizmente, com a evolução dos tratamentos e a melhoria da sua eficácia, os efeitos secundários são cada vez menos agressivos. 

Terapias dirigidas

As terapias dirigidas são concebidas com o propósito de interferir nas moléculas ou nos genes que causaram o cancro. Como estas terapias atuam em moléculas específicas o seu médico vai precisar que faça exames ao sangue ou ao seu DNA para ver se e como estas moléculas estão presentes no seu corpo.

 

Efeitos secundários

Embora os seus efeitos sejam menos intensos do que os da quimioterapia, podem ser graves. OS efeitos vão depender do tipo de terapia dirigida que estiver a realizar e os mais comuns são:

  • Problemas de pele
  • Reações alergicas com dificuldades respiratórias, tonturas
  • Elevado nº de enzimas do fígado
  • Diarreira ou prisão de ventre
  • Nauseas e vómitos
  • Fadiga
  • Baixa de glóbulos vermelhos
  • Aumento da tensão arterial
  • Dificuldades de cicatrização
Imunoterapia

A imunoterapia tem sido apontada com uma das mis importantes inovações no tratamento do cancro, dos últimos anos. É uma forma de tratamento que usa o sistema imunitário para atacar as células do cancro, quase da mesma forma como atacam bactérias e vírus.

De uma forma simples, a imunoterapia trata do seu corpo e o seu corpo trata do cancro. Esta terapêutica procura controlar as células imunes que circulam para fazerem o seu papel e tem o potencial de gerar efeitos e benefícios a longo prazo.

 

Que tipos de imunoterapia existem:

Existem diferentes tipos de imunoterapia que podem ser dados em forma de medicamentos ou através de terapia de células estaminais, ou seja, são extraídas células imunes do doente, que são modificadas em laboratório para atacar determinadas células cancerígenas quando injetadas novamente no corpo dos doentes.

 

  • Inibidores de Checkpoint

Libertam um travão natural no sistema imunitário de forma a que as células imunes (chamadas "células T") reconheçam e ataquem os tumores. Estes inibidores são geralmente menos tóxicos e fáceis de receber do que a maioria dos fármacos de quimioterapia. 

 

  • Terapia com células CAR T (Chimeric antigen receptor T)

Esta abordagem consiste na modificação genética das células imunitárias do próprio doente para se fazer uma nova proteína. Isto reforça estas células imunitárias tornando-as mais fortes no combate ao cancro.

 

  • Vacinas para o cancro

Estas vacinas treinam o corpo a proteger-se contra as suas próprias células danificadas ou anormais, incluindo as células cancerígenas.

 

  • Anticorpos Monoclonais

Acopolados a proteinas específicas na superfície das células do cancro ou de células imunes. Podem atuar de duas formas:

 - marcar o cancro como um alvo para as células imunes poderem atacar

 - aumentar a capacidade das células imunes para combaterem o cancro

 

  • Citocinoterapia

Depende de certas proteinas, a Interferon e a Interleucina, para desencadear uma resposta do sistema imunitário. A interleucina é usada no tratamento de cancros do rim e melanoma que se espalharam para outras partes do corpo. A Interferon alfa é atuallmente usada no tratamento do melanoma, cancro do rim  e algumas leucemias e linfomas. A citocinoterapia também pode ser combinada com outras formas de imunoterapia para aumentar a sua eficácia.

 

Os resultados da utilização de imunoterapia demonstraram o seu benefício no controlo da doença em alguns tipos de cancro - como melanoma, cancro do pulmão, da bexiga, do rim e linfoma - e em cerca de um terço dos doentes com doença metastática.

No entanto, noutros tipos de cancro, como o da mama, os resultados têm ficado aquém do esperado. Isto acontece porque o cancro da mama, como outros tipos de cancros, têm um baixo número de mutações genéticas e, consequentemente, de proteínas estranhas ao organismo capazes de estimular o sistema imunológico. 

 

É preciso saber que...

Apesar de alguns bons resultados alcançados, a imunoterapia pode não ser a melhor opção para todos os doentes. Dependendo do tipo de imunoterapia e das terapêuticas que a ela sejam associadas, as respostas podem variar entre 11 e 70%.

 

Efeitos Secundários

Os efeitos desencadeados pela imunoterapia são muito diferentes da quimioterapia: não se observam os sintomas tradicionais de náuseas e vómitos, queda do cabelo ou baixa dos valores sanguíneos. Com a imunoterapia, observam-se sintomas de autoimunidade, ou seja, efeitos provocados pela reação do sistema imunológico contra as células normais do organismo. Estes efeitos podem, em teoria, afetar qualquer órgão do corpo, mas atingem mais frequentemente:

  • pele (através de vermelhidão e secura)
  • intestino (provocando diarreia e colite)
  • fígado (através das hepatites)
  • órgãos endócrinos (como a tiroide, provocando hipotiroidismo, ou a hipófise, provocando hipofisite)

Para precaver estes sintomas, o doente deve ser observado desde o início e a intervenção também deve ser o mais precoce possível.

Terapêutica anti-estrogénica ou hormonoterapia

As hormonas ajudam a controlar a forma como as células crescem e o que fazem no organismo. As hormonas, principalmente o estrogénio, podem incentivar o crescimento de alguns tipos de cancro da mama. A terapêutica antiestrogénica (TAE), vulgarmente designada como hormonoterapia reduz o nível de estrogénio no organismo ou impedem-no de se fixar às células cancerígenas.

Este tratamento só funciona em tumores com receptores de estrogénio.

Pode fazer tratamento hormonal para reduzir o risco de o cancro da mama voltar e para proteger a outra mama. Normalmente, a hormonoterapia dura muitos anos (até 15 anos).

 

O oncologista vai começar o seu tratamento hormonal depois da cirurgia ou da quimioterapia.

 

No cancro da próstata, a hormonoterapia era a última linha de defesa contra a doença metastática, mas mais recentemente, alguns estudos apontam para benefícios do seu uso mais cedo, no processo de tratamento do cancro da próstata, principalmente devido aos seus benefícios quando adicionada à radioterapia.

No entanto, o bloqueio da produção de testosterona não é a melhor opção para todos os doentes. O seu médico irá explicar-lhe os benefícios, riscos e efeitos da hormonoterapia no cancro da próstata.

 

A hormonoterapia pode causar efeitos secundários semelhantes aos sintomas da menopausa, tais como: afrontamentos, dores articulares e ou pouco desejo sexual.

Hipertermia

Hipertermia é o aumento da temperatura acima do nível fisiológico com o objetivo de atingir uma melhor terapêutica. Está definida como o aumento da temperatura a um alcance entre 39ºC e 45ºC.

O Hospital de Dia

Os tratamentos oncológicos (da oncologia e da hematologia) ou tratamentos sistémicos realizam-se no Hospital de Dia. É neste espaço ainda que o doente é assistido sempre que necessário. Esta atividade também é complementada com a realização de consultas externas, internamentos, cuidados intensivos e assistência ao atendimento permanente.

A assistência por especialistas está assegurada em todos os dias do ano no internamento e urgência e nos dias úteis para as consultas e tratamentos em ambulatório, no hospital de dia.

O apoio permanente dos serviços farmacêuticos permite obter todos os novos fármacos usados no tratamento do cancro nos últimos anos e que constituem o grande avanço no tratamento das doenças oncológicas.

Serviços de Oncologia na CUF
Hospital CUF Cascais

A funcionar desde 2011, o Hospital de Dia Oncológico no Hospital CUF Cascais oferece o conforto necessário ao doente oncológico e seus familiares. Este espaço está equipado com 4 cadeirões e 1 quarto individual, sendo realizadas todas as terapêuticas de quimioterapia, bem como executadas técnicas de diagnóstico e terapêutica especializadas como as drenagens torácicas e paracenteses, punções lombares e administração de tratamento intra-tecal, punções para mielograma e biópsia óssea.

Piso 2

Coordenadora de Serviço

Ana Raimundo, oncologista

Enfermeira Coordenadora

Cristina Freitas

Hospital CUF Coimbra

O Hospital de Dia Oncológico no Hospital CUF Coimbra tem disponíveis 2 cadeirões e quarto individual. Na sala de tratamentos são realizadas as terapêuticas sistémicas como a quimioterapia e imunoterapia, bem como executadas técnicas de diagnóstico e terapêutica especializadas, como as drenagens torácicas e paracenteses, punções lombares e administração de tratamento intra-tecal, punções para mielograma e biópsia óssea.

Piso 3

Coordenadora de Serviço

Helena Gervásio, oncologista

Enfermeiras Coordenadoras

Joana Fonseca

Hospital CUF Descobertas

O Hospital de Dia Oncológico no Hospital CUF Descobertas está equipado com 6 cadeirões e 4 camas, e é neste espaço que são realizados os tratamentos de quimioterapia, bem como executadas técnicas de diagnóstico e terapêutica especializadas como as drenagens torácicas e paracenteses, punções lombares e administração de tratamento intra-tecal, punções para mielograma e biópsia óssea. A equipa do Hospital de Dia é uma equipa multidisciplinar, de elevada diferenciação clínica.

Edifício 1, Piso 0

Coordenador de Serviço

António Quintela, oncologista

Enfermeira Coordenadora

Anabela Lobo

Hospital CUF Infante Santo

O primeiro serviço de Oncologia criado na CUF, há mais de 35 anos.

O Hospital de Dia Oncológico no Hospital CUF Infante Santo está equipado com 5 cadeirões e 2 camas e é o local onde são efetuados os tratamentos de quimioterapia, bem como executadas técnicas de diagnóstico e terapêutica especializadas como as drenagens torácicas e paracenteses, punções lombares e administração de tratamento intra-tecal, punções para mielograma e biópsia óssea. São ainda efetuadas algumas técnicas invasivas no âmbito da Consulta da Dor. 

Piso 1

Coordenadoras de Serviço

Ana Raimundo, oncologista

Enfermeiro Coordenador

Manuel Cruz

Hospital CUF Porto

O Hospital de Dia Oncológico do Hospital CUF Porto abriu portas em 2012, equipado com 8 cadeirões e 4 quartos individuais, com uma equipa especializada e atenta ao doente oncológico. Na sala de tratamentos são realizadas as terapêuticas de quimioterapia, bem como executadas técnicas de diagnóstico e terapêutica especializadas como as drenagens torácicas e paracenteses, punções lombares e administração de tratamento intra-tecal, punções para mielograma e biópsia óssea.

Piso 2

Coordenadora de Serviço

Bárbara Parente, peneumo-oncologista

Enfermeiro Coordenador

André Ferreira

Hospital CUF Viseu

O Hospital de Dia Oncológico do Hospital CUF Viseu dispõe de um gabinete médico, um quarto e uma sala de tratamento com 3 cadeirões.

Os tratamentos realizam-se em regime ambulatório, embora esteja disponível o internamento se a situação assim exigir. Aqui são realizados tratamentos oncológicos como a quimioterapia, bem como executadas técnicas de diagnóstico e terapêutica especializadas como as drenagens torácicas e paracenteses, punções lombares e administração de tratamento intra-tecal, punções para mielograma e biópsia óssea.

Piso 3

Coordenadora de Serviço

Helena Gervásio, oncologista

Enfermeira Coordenadora

Joana Salgado

Segundas Opiniões

Ter o diagnóstico de um cancro é um momento muito difícil na vida de um doente. Em vários casos poderá ser a doença mais relevante da sua trajetória de vida.

É compreensível que a escolha criteriosa da equipa que o vai tratar seja uma decisão que deve ser bem ponderada. Neste contexto é habitual, e até desejável, que os doentes procurem uma equipa e instituição com que sintam a maior empatia, e assim surge a procura, cada vez mais frequente, de segundas opiniões.

Na CUF Oncologia acreditamos que todos os doentes devem ter direito a segundas opiniões. Para isso, estamos completamente disponíveis para que os doentes tenham na sua mão, além de um relatório que pode ser solicitado à sua equipa, todos os exames em suporte de papel e digital (CDs) necessários à obtenção de uma segunda opinião que possa ser proveitosa.