Síndrome do canal cárpico

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento
Prevenção

Há um espaço na face anterior do punho conhecido como canal cárpico onde o nervo mediano e nove tendões passam do antebraço para a mão. A síndrome do canal cárpico ocorre quando o aumento de pressão dentro do canal causa compressão do nervo, que é muito sensível. Quando a compressão é suficientemente elevada causa alterações na função nervosa, o que provoca adormecimento, parestesias e dor na mão e dedos.

Os sintomas são normalmente a dor, o adormecimento, o formigueiro ou a combinação dos três numa ou nas duas mãos. O adormecimento e o formigueiro afetam na maioria das situações o polegar, o indicador, o médio e parte do anelar. Os sinais manifestam-se geralmente à noite, mas podem aparecer durante as atividades diárias, como guiar ou ler um jornal. Os doentes notam que têm diminuição da força de preensão, podendo deixar cair os objetos da mão. Nos casos mais graves, a sensibilidade pode estar completamente ausente e os músculos da base do polegar atrofiados (atrofia da eminência tenar).

Normalmente a causa é desconhecida. Edema da bainha dos tendões, conhecida como tenossinovite, pode aumentar a pressão dentro do canal. Luxações ósseas, fraturas e artrite podem estreitá-lo, mas não são tão frequentes. A retenção de líquidos durante a gravidez pode em alguns casos provocar edema no canal, que normalmente desaparece depois do parto. Algumas doenças como o hipotiroidismo, a artrite reumatoide, a diabetes e a insuficiência renal podem estar associadas a esta síndrome.

Uma história detalhada do tipo de atividade da mão, qualquer traumatismo anterior e sintomas prévios são importantes. Uma radiografia pode ser pedida para verificar outras causas, como a artrite ou uma fratura subjacente. Em alguns casos estudos laboratoriais podem ser necessários se houver uma suspeita de alguma doença associada. Um eletromiograma é normalmente efetuado para confirmar o diagnóstico e excluir qualquer compressão do nervo mediano a outro nível que não o punho, como o antebraço, ombro ou coluna cervical.

A eliminação dos sintomas pode às vezes ser conseguida sem cirurgia. Mudar de atividade para reduzir o uso repetitivo e cansativo da mão ou manter o pulso numa posição neutra pode ajudar a diminuir o edema dentro do canal, criando mais espaço para o nervo. O uso de uma tala durante a noite pode diminuir as queixas que impedem o sono. Medicamentos anti-inflamatórios orais ou injetados diretamente, reduz o edema e a pressão.

Quando os sintomas são muito intensos ou não melhoram, a cirurgia pode ser necessária para alargar o canal cárpico. Os objetivos desta intervenção são aumentar o espaço dentro do canal e diminuir a pressão sobre o nervo. Depois da cirurgia, a sensação dolorosa à volta da cicatriz pode persistir por algumas semanas ou meses. O adormecimento e o formigueiro podem desaparecer rapidamente, mas pode demorar algum tempo até a mobilidade do punho e da mão voltarem ao normal. Os sintomas podem, em alguns casos, voltar e o retomar de trabalhos pesados ou repetitivos pode ser causa de recidiva.

A condição pode ser causada por tantas atividades diferentes que a prevenção pode ser desafiadora. Mudanças no posto de trabalho – com uma postura correta e um adequado posicionamento das mãos e pulsos – podem ajudar a diminuir alguns fatores de risco. Outros métodos preventivos incluem:

  • Dormir  e trabalhar mantendo os pulsos direitos
  • Manter os pulsos direitos ao usar ferramentas
  • Evitar fletir e estender os pulsos repetidamente
  • Diminuir a pressão repetitiva com o pulso em posição fletida
  • Descansar com frequência em atividades repetitivas
  • Realizar exercícios de aquecimento e alongamento antes e depois das atividades físicas
  • Monitorizar e tratar adequadamente as condições médicas relacionadas à síndrome do canal cárpico
Fontes:

Medical News Today