Ovário, vulva e vagina: cancros ginecológicos menos comuns

Cancro
5 mins leitura

Embora menos frequentes, neste grupo encontra-se o mais letal dos cancros ginecológicos: o cancro do ovário. Saiba como reduzir o seu índice de risco.

Cancro do ovário, carcinoma da vagina e cancro da vulva - têm em comum o facto de serem os três cancros ginecológicos com menor incidência. Mas, enquanto o cancro da vulva e da vagina são curáveis se detetados numa fase inicial, o cancro do ovário é o tumor maligno mais letal na mulher, sendo habitualmente diagnosticado em fases já avançadas. Aprenda a proteger-se.

 

Cancro do ovário

Apesar da sua baixa incidência, o cancro do ovário é, segundo a Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG), um dos cancros mais letais na mulher. 90% dos tumores primitivos do ovário surgem em mulheres pós-menopáusicas, sobretudo após os 55 anos.

Um tumor maligno do ovário pode crescer e invadir órgãos adjacentes (como as trompas de Falópio e o útero), libertar células cancerígenas no abdómen, levando à formação de outros tumores nesses órgãos e tecidos circundantes, ou até disseminar-se através do sistema linfático para os gânglios linfáticos na pélvis, abdómen e tórax, explica informação da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC).

 

Sintomas do cancro do ovário

Em 70% das doentes, o diagnóstico é feito em fases avançadas, já que na fase inicial o cancro do ovário não causa sintomas óbvios. No entanto, à medida que evolui, pode provocar os seguintes sintomas:

  • Pressão ou dor no abdómen, pélvis, costas ou pernas
  • Abdómen inchado ou sensação de enfartamento (estar "enfartada")
  • Náuseas, indigestão, gases, prisão de ventre ou diarreia
  • Sensação constante de grande cansaço

Atenção: se tiver estes sintomas quase diariamente durante mais de duas a três semanas deve consultar o seu ginecologista.

 

Numa pequena percentagem de mulheres podem surgir os seguintes sintomas:

  • Falta de ar
  • Vontade constante de urinar
  • Hemorragias vaginais invulgares após a menopausa

Atenção! Se tiver estes sintomas pela primeira vez e com uma frequência quase diária deverá procurar ajuda médica.

 

Fatores de risco para o cancro do ovário

  • A idade é o fator de risco mais importante para o cancro do ovário: quanto mais velha for a mulher, maior será o risco de ter a doença.
  • Depois da idade, o fator de risco mais importante é a existência de uma mutação genética de um de dois genes (BRAC1 e BRAC2), ambos associados também ao cancro da mama, e que está presente em 10-15% das mulheres diagnosticadas com cancro do ovário.
  • A história familiar relaciona-se com o fator anterior. As mulheres cuja mãe, filha(s) ou irmã(s) têm ou tiveram cancro do ovário, apresentam um risco acrescido de desenvolver a doença. Mulheres com antecedentes familiares de cancro da mama, útero, cólon ou reto, podem, de igual modo, apresentar um risco acrescido. O facto de algumas mulheres da mesma família terem tido cancro do ovário ou da mama, sobretudo na juventude, é considerado um antecedente familiar muito forte. Nesse caso, poder-lhe-á ser sugerido que a própria e as outras mulheres da família realizem um teste genético, refere a LPCC.
  • Mulheres que já tiveram, elas próprias, cancro da mama, útero, cólon ou reto também apresentam um risco acrescido de vir a desenvolver cancro do ovário.

 

Outros fatores com menos significado, mas que eventualmente podem ser controlados são:

  • O risco parece ser maior quanto mais ciclos menstruais (e ovulações) uma mulher tiver ao longo da vida. Mulheres que começaram a menstruar muito cedo, que têm uma menopausa tardia, que não têm filhos (ou os têm depois dos 30 anos), que não tomaram ou não tomam contracetivos que interrompem a ovulação (como a pílula) e/ou que não amamentam, parecem ter mais risco de desenvolver cancro do ovário.
  • Alguns estudos sugerem que as mulheres que fazem terapêutica hormonal apenas com estrogénios durante dez ou mais anos podem apresentar um risco acrescido de desenvolver cancro do ovário. O aumento do risco é mais incerto nas mulheres que tomam estrogénios e progesterona.
  • A toma de determinados medicamentos, a utilização de pó de talco e a obesidade têm sido investigados cientificamente, mas a resposta não é clara, pelo que não são considerados fatores de risco relevantes, refere a LPCC.

 

Como proteger-se do cancro do ovário

É certo que, por um lado, mulheres com fatores de risco para o cancro do ovário podem não desenvolvê-lo e, por outro, que a doença pode-se desenvolver em mulheres que não têm fatores de risco. No entanto, há fatores que parecem poder reduzir o risco:

  • Seguir uma alimentação equilibrada e hipocalórica, rica em vegetais e com poucas gorduras saturadas.
  • Deixar de fumar e reduzir o consumo de bebidas alcoólicas.
  • Amamentar, tomar contracetivos orais durante mais de cinco anos e ter filhos, também são fatores que reduzem o risco, mas não são recomendados como formas de proteção, salvaguarda o Centers for Disease Control and Prevention. Estes fatores têm riscos e benefícios associados que devem ser avaliados caso a caso com aconselhamento médico.

 

Cancro da vulva e carcinoma da vagina

O cancro da vulva e o carcinoma da vagina podem surgir associados ao cancro do colo do útero ou entre si. De acordo com a SPG, estes dois tipos de cancro são raros e curáveis se forem diagnosticados precocemente.