O que fazer quando a tosse ataca

Alergias
Gripes e constipações
Prevenção e bem-estar
4 mins leitura

A tosse é um reflexo de defesa do nosso corpo, mas, quando é persistente, pode tornar-se num problema. Aprenda a acalmá-la.

A tosse tem uma razão de ser: é um reflexo que nos ajuda a eliminar agentes irritantes e infeções do nosso organismo, como muco ou fumo. Contudo, quando se torna persistente pode ser irritante - para nós e para os que nos rodeiam - perturbando o sono, o trabalho e outras atividades do dia a dia. Regra geral, um episódio de tosse não complicada, acaba por se resolver em pouco tempo, mas há sinais que o devem levar a procurar ajuda médica especializada. Saiba distingui-los.

 

O que pode causar tosse?

A maior parte dos casos de tosse é causado por uma constipação ou por gripe. Contudo, sobretudo nos casos de tosse persistente, poderão estar envolvidas outras causas, tais como:

  • Certos medicamentos (como alguns anti-hipertensores)
  • Tabagismo
  • Refluxo gastroesofágico
  • Alergias (por exemplo, "febre dos fenos")
  • Infeções, como bronquite
  • Presença de muco na garganta
  • Cancro do pulmão (embora seja raro que a tosse se deva a este tipo de doenças mais graves)

 

O que pode fazer em casa

Para acelerar o desaparecimento de um período de tosse, há gestos que pode colocar em prática:

 

1. Descanse bem e com a cabeça elevada

Se a causa da sua tosse é uma constipação ou alergias, dormir com a cabeça um pouco mais elevada - por exemplo, com uma almofada extra - pode ajudar. Quando dormimos na horizontal, as secreções podem acumular-se na garganta e irritá-la.

 

2. Mantenha-se hidratado

Quando estamos doentes, o muco pode acumular-se no nosso nariz. Por isso, a ingestão de líquidos - que contribui para que as secreções se tornem mais fluidas - é muito importante para reduzir a irritação da garganta e evitar a tosse. Além disso, também faz com que os pulmões tenham mais facilidade em eliminar as secreções.

 

3. Prefira as bebidas quentes

Este gesto pode melhorar os sintomas da constipação, nos quais se inclui a tosse, e favorece a hidratação. Há infusões que podem ajudar, como as que são à base de mel e limão (exceto para bebés com idade inferior a um ano) ou as de gengibre - esta raiz tem propriedades anti-inflamatórias e pode acalmar a tosse.

 

4. Faça vapores

A inalação de vapores pode ajudar a aliviar a tosse com muco. Experimente, por exemplo, tomar um duche quente e, quando a casa de banho estiver cheia de vapor, permaneça na divisão durante alguns minutos. Depois, beba um copo com água para arrefecer e evitar a desidratação. Em alternativa, também pode encher uma taça grande com água a ferver e inalar os vapores.

 

5. Elimine os agentes irritantes de sua casa

Deixe de fumar e evite ambientes com fumo. Há quem seja sensível a perfumes e outras fragrâncias dos detergentes da roupa ou aromatizadores do lar, que irritam o sistema respiratório e favorecem a produção de muco. Se tem alergias, limpar o bolor, pó e pólen é um gesto que pode ajudar, pois estes podem desencadear tosse.

 

Fale com o seu médico assistente se...

  • O seu episódio de tosse dura há mais de três semanas (a chamada tosse persistente)
  • A tosse é severa ou piorou e não consegue parar de tossir
  • Tem calafrios e febre
  • Sente um grande mal-estar
  • Tem dor no peito
  • Está a perder peso sem razão aparente
  • Tem inchaço e dor na zona do pescoço
  • Sente dificuldade em respirar
  • O seu sistema imunitário está enfraquecido - o caso de quem tem diabetes ou está a fazer quimioterapia, por exemplo

 

Dirija-se a um serviço de Atendimento Permanente se tossir com sangue.

 

Atenção!

A tosse é um possível sintoma de COVID-19. Perante o seu aparecimento, contacte a linha SNS24 (808 24 24 24) e siga as indicações que lhe forem dadas.

 

Na consulta médica

Para identificar as causas que estão na origem da sua tosse, o seu médico assistente poderá pedir análise de expetoração, pedir um raio-X, um teste às alergias ou um exame que avalie o funcionamento dos seus pulmões (como as provas de função respiratória). Em alguns casos, poderá ser recomendado que consulte um médico especialista, nomeadamente um pneumologista ou alergologista.

Doenças