Miastenia grave:
o que é e como lidar com esta doença?
Doenças crónicas
Olhos
3 mins leitura

Atinge frequentemente os músculos que coordenam o olho e trata-se de uma doença crónica e autoimune. A miastenia grave é progressiva, mas tem tratamento.

A miastenia grave é uma doença autoimune relativamente rara e de causa desconhecida, que atinge a junção neuromuscular através da produção de anticorpos contra os recetores da acetilcolina (neurotransmissor). Como consequência, o estímulo nervoso deixa de ser corretamente transmitido aos músculos e estes passam a funcionar de forma menos adequada. Existem cerca de 150 casos de miastenia grave por milhão de habitantes. A doença atinge sobretudo mulheres na segunda e terceira décadas e homens na sexta e sétima décadas de vida.

 

Sinais e sintomas da miastenia grave

O sintoma inicial mais frequente é a fraqueza de um músculo ou grupo muscular localizados e não uma fraqueza muscular generalizada. Um dos locais mais frequentemente afetados são os músculos que coordenam o olho, levando a visão dupla e ptose palpebral (pálpebra caída). Raramente, o doente apresenta fraqueza muscular generalizada sem atingimento ocular. 

Os sintomas variam e tendem a evoluir com o tempo ao atingir diversos grupos musculares. Incluem:

  • Alteração da expressão facial
  • Dificuldade em mastigar e engolir
  • Dificuldade em suster, fletir e estender a cabeça
  • Diminuição da força muscular nos membros (tendencialmente mais nos músculos da cintura: anca/coxa e ombros/braço)
  • Atingimento dos músculos respiratórios, levando a dificuldade na respiração que, no seu estado mais grave, pode levar à necessidade de ventilação mecânica 

Como a fraqueza muscular agrava com a utilização repetida do(s) músculo(s) afetado(s) e a força muscular recupera depois de repouso, por vezes, o diagnóstico clínico pode não ser fácil.

 

Fatores de agravamento

Alguns fatores podem agravar a miastenia grave:

  • Exposição solar
  • Situações de stress (stress emocional, infeções, cirurgias)
  • Menstruação
  • Certos medicamentos (como betabloqueadores usados para tratar a hipertensão arterial, alguns anestésicos e alguns antibióticos)

 

Diagnóstico da miastenia grave

Para fazer o diagnóstico, o médico terá de recorrer à história clínica (sinais e sintomas), proceder a um exame físico e pedir vários exames complementares de diagnóstico, nomeadamente pesquisa de anticorpos específicos no sangue, provas farmacológicas, estudos eletrofisiológicos e, em determinadas situações, exames radiológicos e outros para excluir doenças associadas.

 

Tratamento da miastenia grave

A miastenia grave é crónica e progressiva, mas tem tratamento. Este inclui fármacos inibidores da acetilcolinesterase, imunossupressores (incluindo corticoides) e imunoglobulina endovenosa. Associada a estes, a realização de plasmaferese (um tipo de filtração do sangue que remove os anticorpos causadores da doença) pode ser uma opção em determinados casos.

Também em casos particulares, a remoção cirúrgica do timo (órgão situado na cavidade torácica e que é responsável pela maturação e otimização do sistema imunitário) poderá estar recomendada no tratamento da miastenia grave.