8 perguntas e respostas sobre antibióticos

Bebés e crianças
Gripes e constipações
Ouvidos, nariz e garganta
4 mins leitura

Os antibióticos não estão indicados para todas as doenças e a sua toma obedece a regras. Conheça aqui oito questões fundamentais sobre estes medicamentos.

Antes da descoberta dos antibióticos, as doenças bacterianas (como a pneumonia ou infeções pós-cirúrgicas) causavam milhares de mortes. Quando este medicamento passou a ser utilizado, matando ou impedindo as bactérias patogénicas de se multiplicarem, a mortalidade por infeções diminuiu significativamente.

Atualmente, são muito utilizados, mas nem sempre da melhor maneira, dando origem a uma grande ameaça para a saúde pública: bactérias resistentes a antibióticos. É, por isso, importante adotar vários cuidados com a sua toma e fazê-lo apenas quando o seu médico achar que é necessário. Veja aqui respondidas oito questões essenciais sobre os antibióticos.

 

1. O que são os antibióticos?

Também denominados agentes antimicrobianos, os antibióticos são substâncias químicas, naturais ou sintéticas, detentoras da capacidade de travar a multiplicação de bactérias (ação bacteriostática) ou de as eliminar (ação bactericida) sem provocar efeitos tóxicos.

 

2. Em que situações devem ser tomados antibióticos?

A toma de antibióticos está indicada quando se confirma um diagnóstico de uma infeção causada por bactérias (infeção bacteriana) e este é prescrito pelo médico. Alguns exemplos são infeções como a pneumonia pneumocócica ou infeções sanguíneas causadas por estafilococos. Um antibiótico pode também ser prescrito para prevenir infeções causadas por bactérias (por exemplo, antes de uma cirurgia).

 

3. Em que casos os antibióticos não são eficazes?

Os antibióticos não combatem infeções provocadas por vírus. Isto significa que não são eficazes para tratar, por exemplo, gripes ou constipações, e, nestes casos, não vão melhorar o estado clínico - não baixam a febre nem melhoram sintomas como os espirros -, devendo, nesses casos, ser utilizado um medicamento antiviral.

 

4. Todos os antibióticos são iguais?

Não. Existem centenas de antibióticos, que estão divididos em mais de 15 classes segundo a sua estrutura química de base e o modo como atuam contra as bactérias.

 

5. Qualquer antibiótico atua em relação a qualquer tipo de bactéria?

Não. Os vários tipos de antibióticos atuam em relação a bactérias distintas - podendo ser eficaz contra vários tipos ou apenas um -, pelo que é fundamental ser o médico a prescrever o antibiótico adequado para o tratamento de determinada doença.

 

6. Se a pessoa se sentir melhor pode interromper a toma do antibiótico ou reduzi-la?

Não. Mesmo que os sintomas e queixas desapareçam, é fundamental cumprir as indicações do médico em relação à duração da toma e dosagens: não encurte o tratamento nem baixe a dose e cumpra as horas da toma. Se esta não for feita corretamente, a quantidade necessária para que a terapêutica seja eficaz não é cumprida e, consequentemente, as bactérias podem sobreviver, tornando-se resistentes.

 

7. Quais as consequências de uma má utilização dos antibióticos?

Um antibiótico que não seja adequado para o tratamento de determinada patologia, além de não a tratar e eliminar flora bacteriana normal, pode levar a que as bactérias que provocaram a infeção se adaptem e não sejam eliminadas - o que pode contribuir também para que se desenvolva uma resistência à ação dos antibióticos.

 

8. Quais os perigos das bactérias resistentes a antibióticos?

Quando conseguem desenvolver defesas contra a ação do antibiótico, as bactérias tornam-se resistentes (e mais perigosas) e estes medicamentos perdem a capacidade de as matar ou impedir que se desenvolvam ou multipliquem. Quando isto acontece, o médico tem de optar por antibióticos alternativos, geralmente mais caros e com efeitos secundários mais severos. A resistência aos antibióticos pode não só prolongar a doença como até provocar a morte e, sem antibióticos eficazes, procedimentos médicos como transplante de órgãos, quimioterapia e cuidados intensivos poderão não ser possíveis.

 

Coloque isto em prática para evitar a resistência aos antibióticos:

  • Tome antibióticos apenas quando estes forem prescritos pelo médico e siga à risca as suas indicações em relação à toma
  • Lave as mãos regularmente, por exemplo, depois de espirrar ou tossir
  • Siga as regras de higiene alimentar e cozinhe sempre bem os alimentos
  • Previna infeções, sempre que possível, através da vacinação
  • Informe-se com o seu farmacêutico acerca da melhor forma de eliminar medicamentos não tomados