Acompanhamento de doentes COVID-19

nos hospitais da rede CUF

A CUF afirmou desde sempre a sua disponibilidade para, em articulação com o Ministério da Saúde e com a Direção-Geral da Saúde, contribuir ativamente para o combate à pandemia COVID-19 em Portugal. Nesse sentido, e num contexto em que se antecipava um crescimento muito significativo de doentes com COVID-19, a CUF reorganizou a sua rede hospitalar, tendo destacado o Hospital CUF Infante Santo e o Hospital CUF Porto para apoiar o Serviço Nacional de Saúde.

Os profissionais de saúde destes hospitais têm vindo a diagnosticar e tratar doentes com COVID-19. Até à data, a CUF já testou 2481 doentes, dos quais 283 revelaram-se positivos. Destes, 64 doentes estão, ou estiveram, internados em unidades CUF e 219 foram, ou estão a ser, acompanhados no domicílio.

Atendendo à posição agora assumida pelo Ministério da Saúde de que os custos associados aos doentes COVID-19 observados e tratados em hospitais privados não são da responsabilidade do Serviço Nacional de Saúde, a CUF vem assegurar aos doentes já tratados ou que se encontrem neste momento em tratamento nas unidades CUF que estes não serão prejudicados ou impactados em qualquer custo.

A CUF reitera ainda a sua disponibilidade para continuar a acompanhar todos os clientes COVID-19 que optem por ser tratados nas suas unidades, nomeadamente nos hospitais CUF Infante Santo e CUF Porto. 

Neste contexto, informamos que a partir das 00h00 do dia 15 de abril (quarta-feira), os doentes que pretendam recorrer à CUF para diagnóstico e tratamento de COVID-19 deverão ter em conta que estes atos clínicos não têm comparticipação do SNS. Assim, os respetivos custos terão de ser assumidos pelos doentes ou pelas seguradoras ou subsistemas que venham a aceitar comparticipá-los.  Só os doentes transferidos pelo SNS terão estes custos comparticipados. 

Para os doentes COVID-19 que sejam internados no Hospital CUF Infante Santo ou no Hospital CUF Porto na sequência de referenciação direta pelo SNS, a CUF irá cobrar o valor estabelecido pelo Ministério da Saúde no protocolo proposto aos hospitais do setor privado e social para este efeito. Para os clientes COVID-19 que optem por ser tratados nos dois hospitais da CUF, não tendo sido referenciados pelo SNS, o custo a incorrer será o mesmo que foi estabelecido para os doentes referenciados pelo SNS, podendo este custo ser comparticipado ou não consoante a existência de acordo com a seguradora ou o subsistema de saúde de cada um dos doentes. Se não houver esse acordo, o doente deverá pagar a totalidade do custo.

Como até aqui, a CUF e as suas equipas vão continuar a trabalhar com o mesmo empenho e profissionalismo na resposta às necessidades de saúde da população, COVID e não-COVID, dando o seu melhor a todos os doentes que escolheram confiar-nos a sua saúde.