Olho Vermelho

O que é?
Sintomas
Causas
Diagnóstico
Tratamento

Utilizamos o termo “olho vermelho” quando a conjuntiva, membrana que cobre a superfície do olho, adquire uma tonalidade vermelha ou rosada. A maioria dos quadros de olho vermelho correspondem a situações benignas, contudo um olho vermelho persistente deverá ser observado por um médico com brevidade, sobretudo se acompanhado de outros sintomas/sinais, e referenciado a um especialista de Oftalmologista sempre que necessário 

 

Olho vermelho pode acompanhar-se por outros sintomas, que embora possam variar de acordo com a causa, nem sempre são suficientes para o diagnóstico diferencial. Alguns destes sintomas - como a dor ou redução da visão - são mais preocupantes e justificam uma observação clínica detalhada. Outras possíveis manifestações associadas são a sensação de “areias”, secreções ou “olho” colado, ardor, prurido, ou uma sensibilidade anormal à luz. 

 

O quadro clássico de olho vermelho não doloroso é a hemorragia subconjuntival. Frequentemente é espontânea, sem outros sintomas e sem história prévia de traumatismo, podendo ser notada por terceiros ou pelo próprio quando se olha ao espelho. Possíveis fatores desencadeantes são os esforços físicos, vómitos, uma elevação súbita da pressão arterial. Quando recorrente poderá justificar a investigação de uma causa vascular sistémica desconhecida (hipertensão arterial, diabetes, alterações da coagulação).

Dentro das causas de olho vermelho salientam-se ainda:

  • Infeção (viral, bacteriana) – desenvolve-se de forma relativamente rápida, ao longo de poucos dias, acompanha-se de exsudado aquoso (mais indicativo de um infeção viral) ou purulento (infeção bacteriana). Na maioria dos casos inicia-se de forma unilateral mas pode torna-se bilateral após alguns dias.
  • Alergia – habitualmente bilateral, evolui ao longo de algumas horas/dias, é frequente a comichão (prurido) e inchaço das pálpebras.
  • Inflamação intra-ocular (uveíte) – mais frequentemente unilateral, acompanha-se de dor intensa, sensibilidade à luz, redução da visão (saber mais) colocar link
  • Inflamação das pálpebras (blefarite) – evolução prolongada (semanas/meses), associa-se a sensação de picadas, ardor, lacrimejo. (saber mais) colocar link
  • Síndrome de olho seco – é frequente a sensação de “areais”, ardor, lacrimejo, progride ao longo de meses/anos (saber mais) colocar link
  • Queratite – inflamação na região mais anterior do olho, habitualmente associada a dor intensa, sensibilidade à luz, redução da visão, importante causa de olho vermelho em portadores de lentes de contacto
  • Trauma/corpo estranho – inicio súbito (segundos) de olho vermelho e dor por lesão provocada por trauma direto, contato com produto químico ou entrada de corpo estranho.  

O diagnóstico exige uma história clínica detalhada: tipo e progressão dos sintomas (súbito/indolente, uni/bilateral), história de traumatismo, cirurgias oftalmológicas prévias, queixas de olho vermelho em pessoas próximas, uso de lentes de contacto; associada a um exame objetivo minucioso. O desenvolvimento de olho vermelho persistente e/ou acompanhado de sinais de alarme como dor, redução da visão, sensibilidade à luz, deverá ser avaliado com brevidade.

O tratamento depende da causa. A maioria dos casos de olho vermelho é tratada com colírios (gotas) e regride após alguns dias. Alguns casos contudo exigem um tratamento prolongado, e um diagnóstico e tratamento incorretos e/ou tardios poderão implicar um compromisso importante da visão. Por esta razão o início de qualquer tipo de fármaco (antibiótico, anti-inflamatório, anti-alérgico) deverá ser precedido por uma observação clínica cuidadosa.

Doenças relacionadas